eco.sapo.ptAntónio Vidigal - 25 jan. 00:09

A Alemanha e os FSRUs. Querer é poder, e quando se tem dinheiro é mais fácil

A Alemanha e os FSRUs. Querer é poder, e quando se tem dinheiro é mais fácil

Tendo a transição energética uma urgência que já poucos questionam, a pergunta que se coloca é porque motivo as coisas n��o acontecem mais depressa.
Até há um ano pouco se tinha ouvido falar de FSRUs (“ Floating Storage a Regasification Units”). Hoje simbolizam a independência energética da Alemanha. Tornaram-se um testemunho da capacidade de execução da Alemanha e um motivo de orgulho para o País. Que o que o fez esquecer desaires como o da construção do Aeroporto de Berlim. A Alemanha tinha uma enorme dependência do gás natural que importava da Rússia. Quando a invasão da Ucrânia ocorreu, ficou numa situação que parecia dramática. Para nos apercebermos da dimensão do problema, a Alemanha importava da Rússia 75 bcm de gás natural por ano, 55 dos quais através do gasoduto Nord Stream 1. 1 bcm (“billion cubic meters”) são aproximadamente 10 TWh. Uma unidade enorme. Para referência, Portugal consome 50 TWh de eletricidade por ano. Para
NewsItem [
pubDate=2023-01-25 00:09:42.0
, url=https://eco.sapo.pt/opiniao/a-alemanha-e-os-fsrus-querer-e-poder-e-quando-se-tem-dinheiro-e-mais-facil/
, host=eco.sapo.pt
, wordCount=133
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2023_01_25_584744868_a-alemanha-e-os-fsrus-querer-e-poder-e-quando-se-tem-dinheiro-e-mais-facil
, topics=[opinião]
, sections=[opiniao]
, score=0.000000]