observador.ptObservador - 24 nov. 00:10

Mais vale ficar quieto… do que arrendar

Mais vale ficar quieto… do que arrendar

O Estado tem o desplante de mentir quando promove a prorrogação no período de transição das rendas com o pretexto da protecção ao inquilino. Na realidade está apenas a proteger o Orçamento do Estado.

A habitação está na ordem do dia. É impossível não comentar o preço asfixiante da habitação, quer seja compra, quer seja arrendamento. Desde 2015 que não há um anúncio que almeje trazer mais e melhor investimento para o mercado imobiliário nacional.

O aumento das taxas de juro, os mais rigorosos critérios de financiamento e a inflação tornarão, num futuro próximo, impossível para a larga maioria dos portugueses comprar casa própria permanente.

A asfixiante morosidade do processo de desenvolvimento imobiliário e da aprovação dos projetos, aliada ao aumento dos custos de construção, tornará muito difícil, num curto espaço de tempo, combater a escalada de preços pelo lado da “nova” oferta.

De acordo com a Fundação Francisco Manuel dos Santos, Portugal, após a crise de 2010-2014, viu reduzir o número de segundas propriedades arrendadas. No ano de 2013, apenas 14% das pessoas com mais do que uma habitação teria a segunda arrendada, comparando com os 30.7% na Zona Euro. Em 2017 assistimos a uma subida substancial na ZE para 41.4%, mas a uma descida para os 13.4% em Portugal.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.

NewsItem [
pubDate=2022-11-24 00:10:34.0
, url=https://observador.pt/opiniao/mais-vale-ficar-quieto-do-que-arrendar/
, host=observador.pt
, wordCount=216
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2022_11_24_324156775_mais-vale-ficar-quieto-do-que-arrendar
, topics=[opinião, arrendamento]
, sections=[opiniao]
, score=0.000000]