observador.ptObservador - 24 jan. 00:19

Somos o arroz de pacto

Somos o arroz de pacto

PNS e Medina têm o CV cada vez mais recheado de peripécias. Aquilo já não se pode chamar um currículo, é um currículol. Só falta o emoji.

A história do Acordo entre José Sócrates e António Costa é o mito fundador do PS do século XXI. Segundo a lenda, durante o consulado de Ferro Rodrigues, Sócrates e Costa combinaram que, quando a liderança vagasse novamente, não a disputariam entre si, para não estraçalhar o partido. Ficou então decidido: chegada a altura, avançaria quem estivesse em melhor posição, com o apoio do outro. Mais tarde, quando o primeiro saísse, entraria segundo. Havia o acordo ortográfico, aquele foi um acordo pornográfico: agora vais lá tu aviares-te, depois vou lá eu, tenta não deixar aquilo muito desarrumado. Uma espécie de dividir para reinar. Partindo do princípio que “reinar” é usado no sentido de “brincar”, claro.

Passados vinte anos, o Partido Socialista está a reviver o célebre pacto, com dois jovens promissores a decidirem entre si quem será o próximo secretário-geral e, consequentemente, futuro Primeiro-Ministro. A diferença é que, enquanto em 2004 Sócrates e Costa avaliaram qual dos dois estaria mais forte e então decidiram, Fernando Medina e Pedro Nuno Santos estão à compita para ver qual dos dois é o menos fraquinho, para ver quem sobra. A disputa está ao rubro. Nós, portugueses, limitamo-nos a assistir. Só sabemos que um dos dois vai-nos comer. Somos o arroz de pacto.

Ultimamente, não há dia em que não sejamos surpreendidos pela descoberta de novos dados que comprovam que quer um, quer o outro, estão tão habilitados para governar Portugal como para pilotar o space shuttle. Conhecendo a bazófia dos dois, de certeza que se consideram capazes de fazer ambas as coisas.

Pedro Nuno Santos demite-se porque incompetentemente não sabia da indemnização de 500 mil euros à administradora da TAP? Então Fernando Medina mostra que, também incompetentemente, sabia da indemnização e que, mesmo assim, a chamou para ser secretária de Estado. Irresponsavelmente, Pedro Nuno descobre que, afinal, não só sabia como autorizou, mas de uma forma tão informal que nem se lembra? Descobre-se que, também irresponsavelmente, Medina contratou um tipo do PS de Castelo Branco para monitorizar obras em Lisboa, depois de simular uma consulta ao mercado.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.

NewsItem [
pubDate=2023-01-24 00:19:01.0
, url=https://observador.pt/opiniao/somos-o-arroz-de-pacto/
, host=observador.pt
, wordCount=384
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2023_01_24_1345513474_somos-o-arroz-de-pacto
, topics=[opinião, ps, pedro nuno santos, fernando medina]
, sections=[opiniao]
, score=0.000000]