mag.sapo.ptmag.sapo.pt - 24 nov. 14:01

António da Cunha Telles "formou o gosto de uma geração": Marcelo evoca o produtor e realizador, falecido aos 87 anos

António da Cunha Telles "formou o gosto de uma geração": Marcelo evoca o produtor e realizador, falecido aos 87 anos

O Presidente da República lamentou hoje a morte do realizador e produtor de cinema, uma das figuras fundamentais do Cinema Novo português.

O Presidente da República lamentou hoje a morte do realizador e produtor de cinema António da Cunha Telles, considerando que foi uma das figuras fundamentais do Cinema Novo português e que "formou o gosto de uma geração".

António da Cunha Telles morreu na quarta-feira aos 87 anos, em Lisboa, disse à agência Lusa a filha, a produtora Pandora da Cunha Telles.

O chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, fez publicar uma mensagem de pesar no sítio oficial da Presidência da República na Internet, através da qual "envia condolências à família de António Cunha Telles".

António da Cunha Telles "formou o gosto de uma geração": Marcelo evoca o produtor e realizador, falecido aos 87 anos Ver artigo

Segundo o Presidente da República, o produtor e cineasta, "tendo possibilitado a existência de um cinema mais exigente, também formou o gosto de uma geração, distribuindo algum do mais destacado cinema de autor da década de 1970".

"À família de António Cunha Telles, que deu continuidade ao seu ofício, manifesto o meu pesar e o reconhecimento pelo trabalho de um homem que nos ajudou a sermos do nosso tempo", declara Marcelo Rebelo de Sousa.

Nesta nota, António Cunha Telles é apontado como uma das figuras fundamentais do Cinema Novo português, enquanto produtor.

"Tendo estudado no Institut des Hautes Études Cinématographiques, em Paris, e contactado com os expoentes da Nova Vaga, ocupou depois, em Portugal, várias funções ligadas à sua área de estudos", lê-se no texto.

Como produtor, "acumulou um currículo extensíssimo e distinto" que incluiu "Os Verdes Anos" (1963), de Paulo Rocha, e "Belarmino" (1964), de Fernando Lopes, "obras-chave de uma revolução antes da revolução" em Portugal, e produziu filmes de Pierre Kast ou François Truffaut.

Na mesma nota, acrescenta-se que Cunha Telles se estreou como cineasta de longa-metragem com "O Cerco" (1970), selecionado para o Festival de Cannes, e deixa inédita a sua sexta ficção, "Cherchez la femme".

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, condecorou-o com o grau de grande-oficial da Ordem do Infante D. Henrique realizador em 2018.

NewsItem [
pubDate=2022-11-24 14:01:42.0
, url=https://mag.sapo.pt/cinema/atualidade-cinema/artigos/antonio-da-cunha-telles-formou-o-gosto-de-uma-geracao-marcelo-evoca-o-produtor-e-realizador-falecido-aos-87-anos
, host=mag.sapo.pt
, wordCount=330
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2022_11_24_1222859899_antonio-da-cunha-telles-formou-o-gosto-de-uma-geracao-marcelo-evoca-o-produtor-e-realizador-falecido-aos-87-anos
, topics=[tv, entretenimento, cinema]
, sections=[vida]
, score=0.000000]