observador.ptObservador - 24 set. 00:21

Os portugueses queixam-se de quê?

Os portugueses queixam-se de quê?

Em 2024, com jeito, inúmeros pensionistas já faleceram. E se a população activa nem assim se satisfaz, que emigre para ver como elas mordem na Moldávia.

Os portugueses queixam-se de quê? Ganham, por enquanto, o 23º melhor salário médio da Europa, bem acima dos habitantes do Kosovo e da Moldávia, coitados. Para cúmulo, exibem o 28º maior poder de compra de todo o continente, é verdade que aquém da Roménia e do Chipre, mas um pedacinho além do Montenegro e a milhas do Cazaquistão, pobrezitos. Não admira. Por cá, a inflação está só meio pontinho percentual acima da média da Zona Euro, que rondou em Agosto uns reles 9,1%. A propósito, desde o início do ano que só em 16 membros da mencionada Zona o preço dos alimentos aumentou menos que em Portugal. E, salvo os restantes 26, também somos o país da UE em que os índices de pobreza aumentaram menos: sublinhar os 2,3 milhões de pobres é uma atitude populista e que visa esquecer os 7 milhões e tal de remediados ou francamente ricos.

Os nossos privilégios não têm fim. Graças a taxas que não excedem os 60% do preço final, e apesar da natural ganância das gasolineiras, o gasóleo, da última vez que vi, era para aí o 35º mais barato da Europa (e a gasolina a 37ª). E não promete piorar muito. Para cúmulo, somos o 23º país da UE com menos impostos na hora de comprar um carro, e nem vale a pena falar no pouquíssimo que custa mantê-lo. De resto, o automóvel particular é apenas uma opção, felizmente em desuso. Boa parte de algumas cidades de certas regiões do litoral dispõem de uma excepcional rede de transportes públicos, os quais, se não estiverem em greve ou avariados, funcionam impecavelmente. E não preciso recordar a invejável e pertinente rede de ciclovias.

A habitação? Não me façam falar da habitação. Até ver, a subida do preço das casas nunca chegou aos três dígitos. E, embora não haja dados explícitos (não interessa aos estrangeiros que estas coisas se divulguem), acredito que uma moradia geminada na Moita continua a ser um pedaço menos dispendiosa que uma “penthouse” em Berlim ou Paris. O agravamento das prestações, decorrente das taxas de juro a cargo do BCE que o exemplar governo tenta contrariar com generosidade, dificilmente ultrapassará as centenas de euros mensais. E refiro-me a apartamentos de gabarito, estilo T2 e tal. Não acredito na subida vertiginosa da prestação de um óptimo estúdio com 35 m2 em Cabeceiras de Basto. E um estúdio que estará quentinho no Inverno: a electricidade é a 30ª mais barata da Europa. O gás natural, suponho, idem. E um cobertor polar, acabei de constatar, compra-se por 8€ em loja da especialidade.

Que mais querem? Como se as benesses não fossem bastantes, o governo admite eventuais dificuldades e tira do próprio bolso uma substancial ajuda para que os cidadãos, os que não são bilionários e auferem 2700 euros, possam enfrentar algum imprevisto. São dois mil milhões, quase metade do que se investiu – e bem – na TAP, quase um terço do acréscimo em receita fiscal que, por causa da inflação, o Estado arrecadou – e bem – no primeiro semestre do ano.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.

NewsItem [
pubDate=2022-09-23 23:21:36.0
, url=https://observador.pt/opiniao/os-portugueses-queixam-se-de-que/
, host=observador.pt
, wordCount=549
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2022_09_23_671753071_os-portugueses-queixam-se-de-que
, topics=[opinião, governo, custo de vida]
, sections=[opiniao]
, score=0.000000]