visao.sapo.ptapfigueiredo - 23 set. 08:30

Visão | A passagem secreta

Visão | A passagem secreta

Será que não desliguei a luz do escritório? Ultimamente, tem-me custado adormecer. Com o cansaço a moer-me o corpo, a cabeça divaga entre assuntos insignificantes

Eu tinha estado a jogar à macaca com a Cristi, os nossos pulos argamassavam alegremente a manhã. O corpo dela esguio, o meu rechonchudo, ela graciosa, eu enérgica. Uma de nós ganhava uma volta e era logo batida pela outra na seguinte.

Quando a dona Flor assomou à janela, chamando a Cristi para o almoço, o grupo de rapazes chegara há pouco. Ficaram na galhofa junto à empena do prédio que estava em construção. Ouvimo-los rir alto e sabíamos que gostavam de olhar para nós. Vendo-me sozinha, o Manuel Luís veio ter comigo, a sua bicicleta ficou junto dos outros. Olha o que arranjei, disse, mostrando-me uma chave, É da casa abandonada, tem uma passagem secreta para a drogaria. A minha mãe não tinha o hábito de me chamar para o almoço, mas eu sabia que tinha de ir para casa. O Manuel Luís desafiou-me, Queres ir ver?

NewsItem [
pubDate=2022-09-23 07:30:00.0
, url=https://visao.sapo.pt/opiniao/cronicas/autobiografia-nao-autorizada/2022-09-23-a-passagem-secreta/
, host=visao.sapo.pt
, wordCount=147
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2022_09_23_4421357_visao-a-passagem-secreta
, topics=[dulce maria cardoso, opinião, crónicas, autobiografia não autorizada]
, sections=[opiniao]
, score=0.000000]