observador.ptObservador - 7 ago. 00:16

A escolha

A escolha

Gregório Potemkin e John Adams foram contemporâneos que exerceram o poder político em duas nações distintas. Mas, e apesar da mesma época, Potemkin jamais teria sucesso na América nem Adams na Rússia.

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Gregório Potemkin era um homem admirável. Alto, magnético e enigmático na sua personalidade complexa. Provavelmente seria bipolar, passava rapidamente da euforia à depressão e vice-versa. Tornou-se amante de Catarina, a Grande e ter-se-ão casado em segredo na noite de 5 de Junho de 1774. Dominador e arrogante, trabalhava muito, ao mesmo tempo que era boémio e devasso. Rodeou-se de riquezas para melhor assinalar e salvaguardar o seu poder. Gastou ainda mais. Foi o responsável pela expansão do império russo na costa norte do Mar Negro, hoje território ucraniano que a Rússia de Putin quer tomar. Tirando Catarina, a quem obedecia por ser imperatriz, Potemkin não aceitava uma mulher como igual ou superior.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.

NewsItem [
pubDate=2022-08-06 23:16:41.0
, url=https://observador.pt/opiniao/a-escolha/
, host=observador.pt
, wordCount=166
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2022_08_06_986780887_a-escolha
, topics=[rússia, estados unidos da américa, opinião]
, sections=[opiniao]
, score=0.000000]