www.publico.ptpublico@publico.pt - 5 ago. 01:02

Enquanto temos paredes...

Enquanto temos paredes...

Dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) apontam para 14% de moradias vagas em Portugal, sem qualquer utilização.

Quem casa quer casa! Este é dos ditados portugueses mais conhecidos que expressa que nomeadamente os jovens casais procuram um teto para viver depois da sua união, na maioria das vezes com a pretensão de constituir família e terem a desejada independência dos pais.

O mercado da habitação em Portugal é dinâmico e tem conseguido dar resposta à procura, com preços mais ou menos especulativos, dependendo da localização da mesma. A verdade é que nos dias de hoje os preços são desmotivantes e implicam uma prisão durante anos (décadas, na verdade), no caso de compra com recurso ao crédito, ou o gasto de uma fatia significativa do rendimento mensal, no caso do arrendamento.

Mas não é diretamente este o problema que vos trago e que é sobejamente conhecido. Quero sim, analisar a excessiva construção nova, em área e volume, em Portugal, quando temos prédios abandonados, a cair aos poucos, nos centros das nossas urbes e que deveriam (para não dizer, teriam) de ser reabilitados e colocados no mercado de venda ou arrendamento. Segundo os dados mais recentes da Pordata, em 2020 foram construídas 8384 novas habitações em Portugal, e apenas recuperadas 1816. Ou seja, investe-se no novo, retirando espaços verdes ao país, quando temos área construída a necessitar de reabilitação.

É caso para questionar se o Estado é apenas uma figura de estilo ou realmente um conjunto de instituições que controlam e administram adequadamente a nação.

Se a lei não permite a posse administrativa ou mesmo expropriação pelo Estado por quem não cuida do bem patrimonial do país (sim, porque o privado também é parte integrante do país), mude-se a lei, adeque-se a mesma aos tempos atuais. A reabilitação é fundamental e urgente para preservar o património já edificado, para além de um menor impacto ambiental e preservação para desenvolver espaços verdes e revitalizar os centros das cidades, sem ser apenas para alojamento local para turistas em lazer. As pessoas que trabalham e contribuem para a economia de Portugal têm de ter a possibilidade de escolha entre viver numa casa nova ou numa casa com história, com um passado.

As cidades têm de ter o orgulho de serem visualmente apetecíveis, sem monos a cair aos poucos, a criar ratos e a serem vandalizados. E com esta disputa entre o novo e o reutilizado, pode ser que a competitividade económica do mercado imobiliário force a baixa de preços na aquisição ou arrendamento de uma casa. E já agora, o património do Estado, que a todos nós pertence, deveria ser o primeiro a dar o exemplo da boa e efetiva reabilitação. Como nos diz uma conhecida rádio portuguesa nas suas rubricas: “Vale a pena pensar nisto...”, e eu acrescentaria: e vale a pena começar o trabalho enquanto ainda temos paredes!

O autor escreve segundo o novo acordo ortográfico

NewsItem [
pubDate=2022-08-05 00:02:00.0
, url=https://www.publico.pt/2022/08/05/opiniao/opiniao/paredes-2016120
, host=www.publico.pt
, wordCount=462
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2022_08_05_1295636218_enquanto-temos-paredes-
, topics=[opinião]
, sections=[opiniao]
, score=0.000000]