observador.ptObservador - 5 ago. 00:20

Vidas internacionais para o verão

Vidas internacionais para o verão

Com Xi Jinping a elite chinesa está determinada a voltar a dar pleno sentido ao nome do seu país – a China deve voltar a ser o Império Central com Pequim como centro do sistema global.

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

As memórias e as biografias, as escritas de vida são uma forma de escrita de que sempre gostei especialmente. Não adiro a uma visão simplista da história moldada apenas pelos feitos grandes homens ou, até das grandes mulheres. Karl Marx definiu bem o problema quando afirmou que os homens fazem a história, mas não em circunstâncias da sua escolha. E creio que mesmo esse velho machista reconheceria que se pode dizer o mesmo relativamente às mulheres e outras pessoas. Rejeito é uma visão da sociedade e da política governada apenas por forças impessoais. Os líderes em diferentes áreas fazem muita diferença. A ideia de que o nosso último século seria o mesmo sem Hitler ou Roosevelt ou Mao não me parece credível. Para percebermos e anteciparmos a ação das principais potências mundiais temos de ter em conta o perfil dos seus líderes.

Uncle Joe?

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.

NewsItem [
pubDate=2022-08-04 23:20:06.0
, url=https://observador.pt/opiniao/vidas-internacionais-para-o-verao/
, host=observador.pt
, wordCount=197
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2022_08_04_1556003562_vidas-internacionais-para-o-verao
, topics=[opinião, livros]
, sections=[opiniao, vida]
, score=0.000000]