visao.sapo.ptvisao.sapo.pt - 24 jun. 12:10

Visão | Governo angolano investe cerca de 2 mil ME em complexo de produção de fertilizantes

Visão | Governo angolano investe cerca de 2 mil ME em complexo de produção de fertilizantes

O Governo angolano vai investir 2,2 mil milhões de dólares (cerca de 2 mil milhões de euros) num complexo industrial de fertilizantes que resulta de um consórcio com a Opaia e Sonagás, subsidiária da Sonangol, a concluir em 2026

O complexo industrial de fertilizantes do Soyo, cuja primeira pedra será lançada em 28 de junho, será a primeira unidade do género construída em Angola e na África Austral e Central, concebida para a produção de ureia granulada, segundo um comunicado dos promotores.

Até agora, apenas Nigéria, Gabão e Egito dispõem de fábricas de fertilizantes em África.

Em declarações à Lusa, o coordenador do projeto e diretor da Opaia Indústria, Adriano Lamas, adiantou que o desembolso do empréstimo, financiado por um consórcio de bancos liderado pelo Afreximbank, vai ser feito ao longo dos quase quatro anos de construção do complexo, cuja conclusão está prevista para o terceiro trimestre de 2026.

A fábrica terá capacidade para produzir 3.500 toneladas de ureia por dia, permitindo suprir as necessidades do mercado nacional.

Parte da produção será destinada a mercados externos preferenciais, sobretudo da região africana, mas poderá chegar também a outras áreas do globo como a América latina, revelou o responsável.

Segundo Adriano Lamas, a fábrica irá criar 3.200 postos de trabalho, na fase de construção, e 1.500 na fase de produção, diretos e indiretos.

A ureia é um composto químico na forma de cristais brancos que possui maior conteúdo de nitrogénio (46%) solúvel em água.

Além disso, os nitratos não se acumulam na cultura, permite crescimento rápido da massa vegetativa, aumenta o rendimento das culturas e o teor de proteína nos grãos de cereais, sendo um fertilizante amigo do ambiente que não acidifica o solo, refere a nota.

O projeto visa atender ao objetivo de suprir o défice de 1.200 mil toneladas de fertilizantes apenas na região da África Austral que inclui 15 países: África do Sul, Angola, Botsuana, Lesoto, Madagáscar, Maláui, Ilhas Maurícias, Moçambique, Namíbia, República Democrática do Congo, Seicheles, Suazilândia, Tanzânia, Zâmbia e Zimbabué.

O Afreximbank, uma instituição financeira multilateral pan-africana, conta também com a consultoria técnica da Saipem, que esteve envolvida numa iniciativa similar na Nigéria, para este projeto.

RCR // LFS

NewsItem [
pubDate=2022-06-24 11:10:02.0
, url=https://visao.sapo.pt/atualidade/mundo/2022-06-24-governo-angolano-investe-cerca-de-2-mil-me-em-complexo-de-producao-de-fertilizantes/
, host=visao.sapo.pt
, wordCount=313
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2022_06_24_391656033_visao-governo-angolano-investe-cerca-de-2-mil-me-em-complexo-de-producao-de-fertilizantes
, topics=[mundo, angola]
, sections=[actualidade]
, score=0.000000]