observador.ptobservador.pt - 24 jun. 07:05

Quesadillas, hip hop, temakis e um tributo a Leonardo Da Vinci: 15 coisas para fazer no fim de semana

Quesadillas, hip hop, temakis e um tributo a Leonardo Da Vinci: 15 coisas para fazer no fim de semana

Há comida para todos os gostos: sushi "ousado", brunch com cheiro mexicano e até pastelão de bacalhau. Depois de encher o estômago, é hora de dançar ou ver um bailado em homenagem a Saramago.

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Mesa do Chef no InterContinental Rua Castilho, 149, Lisboa. Almoço a 45€ e jantar a 60€ (mínimo 4 pessoas e máximo 6). Reservas podem ser efetuadas através do 21 381 8700 ou lisha.reception@ihg.com, até 48h antes

Para despertar o paladar num momento ímpar de partilha: apreciar a arte que é a confeção de cada prato é a novíssima proposta do hotel InterContinetal Lisboa. Comandado pela precisão do chef Eddy Melo, vamos ao menu selecionado para esta degustação, intitulado “Petiscos à Lisboeta”. O início do repasto conta com sugestões como o ceviche de robalo do mar, polvo grelhado com espargos brancos, batata-doce salteada e guacamole, pastelão de bacalhau com molho de iogurte e crocante de alheira com maionese picante. Nos principais, entra em campo o pica pau de camarão de Moçambique com alho e piri piri e o pica pau do lombo com pickles. Para rematar a refeição, esqueça as calorias e atire-se às sobremesas: creme brûlée de fava tonka, mousse de chocolate amargo e ananás caramelizado com cremoso de coco e lima e gelado de avelã.

É o chef Eddy Melo quem comanda a degustação, que “promete marcar a diferença e tornar a refeição mais especial”.

Cosmos Teatro Nacional D. Maria II (Praça Dom Pedro IV), Lisboa. Sexta-feira e sábado, às 19h. Domingo, às 16h. Bilhetes entre os 9€ e 16€

Para repensar o passado e imaginar futuros no teatro: a primeira representação aconteceu esta quinta-feira, mas esta sexta-feira e sábado (às 19h) e este domingo (às 16h) será possível ver Cosmos, de Cleo Diára, Isabél Zuaa e Nádia Yracema, no Teatro Nacional D. Maria II. Trata-se da “segunda parte de uma trilogia em construção”, depois de Aurora Negra, espetáculo vencedor da segunda edição da Bolsa Amélia Rey Colaço — que apoia e distingue a criação de jovens artistas e de companhias emergentes. A descrição oficial deste Cosmos promete: o espetáculo será “uma viagem interplanetária, onde se procura um tesouro para a criação de um novo mundo” e “será impossível não questionar a humanidade e o caminho percorrido até aos dias de hoje”. Desse questionamento do passado resultam “diferentes futuros possíveis”. Cosmos terá a “intenção de aprofundar as mitologias que circundam a criação do mundo”, quer africanas quer europeias, projetando-se “num horizonte afrofuturista”. Se perder a peça este fim de semana, poderá ainda vê-lo (de quarta-feira a domingo) até 3 de julho.

Em “Cosmos”, dá-se o resgate da mitologia africana, enquanto se compreende a sua mistura com mitos europeus. © D.R. / TNDMII

Tokkotai Rua do Comércio do Porto, 144, Porto. De segunda a quinta, das 19h30 às 00h. Sextas e sábados até às 2h. Preços variados

Para convocar todos os sentidos à mesa: a sofisticação e o mistério são palavras-chave do restaurante japonês Tokkotai, com um cardápio que se carateriza como “um desfile de iguarias idealizado para despertar sensações”. É o que irá descobrir ao provar as entradas, desde o ceviche de peixe branco, polvo e camarão, passando pelo tártaro de salmão, vieira e camarão, pela vieira grelhada, até o camarão-tigre asiático, as guiozas de wagyu, sem esquecer o cannoli de atum picante. Os amantes de sushi irão salivar com os temakis, nigiris (tradicionais, flamejados, trufados ou com foie gras), batera (sushi prensado), uramaki, hossomaki — em todas as peças o peixe e marisco é proveniente maioritariamente da costa portuguesa. Contudo é na subcategoria Especiais Tokkotai que se encontram as mais “ousadas” criações. Esta distinção é atribuída ao gunkan com toro, ouriço-do-mar, gema de codorniz e caviar, ao gunkan de toro e ikura, ao gunkan de ovo de codorniz, trufa negra e ovas de masago, ao nigiri de wagyu com foie gras e ao tentáculo de polvo com miso. Se é vegan, nada tema, há legumes e tofu ao vapor em folha de arroz, zaru soba e arroz de cogumelos com “peixe” da terra. Para finalizar, peça bonsai de chocolate e algodão doce, jardim dos suspiros ou brigadeiro com morangos e crocante de castanha. E registe outra boa nova: à sexta e ao sábado, a noite é animada com DJ set ao vivo.

Gunkan com toro, ouriço do mar, gema de cordoniz e caviar é um dos pratos considerados especiais.

Rock Nordeste Parque Corgo, Vila Real. Sexta e sábado, a partir das 18h. Entrada livre

Para viver um festival de música portuguesa gratuito, durante dois dias: apresenta-se como o “melhor festival de entrada livre do país” e, olhando para o cartaz, é bem capaz de não ser exagero. Em Vila Real, mais exatamente nos relvados do Parque Corgo, regressa esta sexta-feira e este sábado, 24 e 25 de junho, o Rock Nordeste. Nesta celebração da música portuguesa, que já vai para a sétima edição e que mantém o seu belo cenário verdejante, cresce o número de palcos (passam a ser dois). Será possível ver concertos de LaBaq (18h), The Twist Connection (19h30), NBC (22h), Marta Ren (23h10) e GROGNation (0h35), na sexta-feira, e de Filho da Mãe (18h), Surma (19h30), Lena d’Água (22h), PAUS (23h30) e Batida a apresentar o projeto e disco iKOQWE (1h), no sábado. Propõem-se ainda DJ sets quer à hora de jantar (Estêvão F e Electric Shoes) quer a propiciar dança durante a madrugada (DJ Kitten na sexta-feira, Nuno Calado no sábado).

A cantora Lena d’Água marca presença naquele que se diz ser o “melhor festival de entrada livre do país”. © ANDRE KOSTERS/LUSA

Nova esplanada da Taqueria das Avenidas Avenida Conde Valbom, 111, Lisboa. De domingo a quinta, das 12h às 24h. Sexta e sábado, às 12h à 1h. Preços variados. Tel.: 21 242 8444

Para sentir os sabores do México ao ar livre: quem diz que não a um copo after work ou a um jantar de amigos? Lugar de referência para planos deste género é a Taqueria das Avenidas, onde, sem se levantar da cadeira, viaja até o México ao saborear os tacos del mar ou de la tierra, as típicas quesadillas e uns antojitos de guacamole con totopos y pico de gallo. Ou seja, a fórmula destes fins de tarde pode muito bem ser assim: quesadillas + margarita = momentos memorables. Todavia se prefere passar por aqui logo pela manhã, há igualmente opções para um brunch a dois. Desperte em bom com guacamole e uma quesadilla de cheddar, os tacos el pastor e os ovos divorciados. Para adoçar o estômago, aposte nuns churros com nutella e doce de leite.

Qualquer altura do dia serve para ir petiscar à Taqueria das Avenidas.

Rincon Sapiência Musicbox Lisboa (R. Nova do Carvalho 24, Lisboa). Sexta, às 22h. Bilhetes a 10 euros

Para ver um concerto de hip hop que é também uma festa para dançar: é um dos rappers que mais sabe fazer de um concerto uma festa, que é capaz de carimbar as suas canções e as suas rimas com um balanço dançante. Mestre da “quebrada” de São Paulo, Danilo Albert Ambrosio, de 36 anos, já faz hip-hop há duas décadas mas foi com o disco Galanga Livre, de 2017, que se tornou um dos nomes mais relevantes e interessantes da música brasileira atual. Agora, vai regressar a uma sala lisboeta em que já atuou em 2019 para voltar a esquentar o clima.

Danilo Albert Ambrosio tem 36 anos e já faz hip-hop há duas décadas. © RENATO STOCKLER

Música Avançada com showcase da Nyege Nyege Passos Manuel, Rua de Passos Manuel nº 137 (ao Coliseu), Porto. Sábado, a partir das 22h. Custo de entrada: 8 euros

Para dançar e suar noite fora no Porto: este sábado será noite de suar as estopinhas a dançar, no Passos Manuel. A este espaço na Invicta regressa mais uma noite da rubrica Música Avançada, um ciclo de programação que propõe “o expandir do olhar para as periferias, espaço essencial para a descoberta dos novos paradigmas da música contemporânea”. Para tal, aterram nesta casa quatro produtores e DJs da editora de música de dança africana Nyege Nyege: Diaki, De Schuurman, Flo e Turkana. É o regresso das apresentações de artistas ligados à editora em Portugal, depois de o mesmo ter acontecido na última edição do festival Tremor, em São Miguel, que contou com um set absolutamente irresistível da DJ Catu Diosis.

A DJ e produtora sul-sudanesa Turkana vê “a pista de dança como um campo de batalha que se alimenta da tensão entre a opressão e a libertação”. © D. R.

On Earth I’m Done: Mountains Centro Cultural de Belém (Praça do Império), Lisboa. Sexta, às 21h. Sábado, às 19h

Para questionar a existência: com a assinatura da companhia sueca Cullberg, On Earth I’m Done: Mountains é um solo imaginado pelo coreógrafo Jefta van Dinther, o qual escolheu uma enorme faixa de tecido que, “inexoravelmente, é puxada para cima, como uma montanha que se eleva para um céu redentor”. Marco da Silva Ferreira é o protagonista da obra que se detalha como “uma ampulheta virada ao contrário onde se inscreve um corpo, que exalta a inteligência da natureza e nos oferece uma viagem interior”. No meio de tudo isto, o espetador vivencia “um estado encantatório, uma alteração inesperada da relação espaço e tempo”.

Novos sabores no A Ver Tavira Calçada da Galeria, Largo Abu-Otmane, 13, Tavira. De terça a sábado, das 12h às 15h e das 18h30 às 10h. Tel.: 281 381 363

Para perceber o significado de “guilty pleasures” a um passo do mar: inaugurado em 2006, o A Ver Tavira recebeu a sua primeira estrela Michelin em 2021. Agora, o restaurante dá as boas-vindas em grande ao verão e o chef Luís Brito não faz a coisa por menos. O início dá-se “Entre cá e lá”, composto por dois pratos: o estreante gamba violeta, couve-flor, maçã verde e caviar e o biqueirão com tomate rosa e amêndoa. Com a mente em Angola, nasceu “África no caminho”, com peixe de linha, tapioca, calulu e muteta. Já o prato “Tépido” combina atum rabilho à couve fermentada e limão caviar e, ainda no que aos pratos principais diz respeito, “A viagem do pato” propõe peito de pato com arroz, foie gras e beterraba. A encerrar, “A passagem” junta abacate, ananás dos açores e cardamomo preto, enquanto “A Merendica” aposta na combinação entre queijo de cabra, presunto e azeitona.

O prato “Tépido” combina atum rabilho à couve fermentada e limão caviar.

Deste Mundo e do Outro Teatro Camões (Passeio do Neptuno, Parque das Nações), Lisboa. Sexta, às 20h. Sábado, às 18h30. Domingo, às 16h. Bilhetes entre os 10 e 20€

Para ver como se pode dançar Saramago: inserida nas comemorações dos 100 anos de nascimento de José Saramago, “Deste Mundo e do Outro” é uma criação de Olga Roriz para a Companhia Nacional de Bailado, devendo o título a uma obra homónima (um livro de crónicas, escritas para A Capital) publicada em 1971 pelo escritor. Pensando em como não apenas essas crónicas mas todo o posicionamento literário e cívico de Saramago poderiam resultar num espetáculo de dança, Olga Roriz procurou nas personagens e nas histórias e perspetivas que leu a inspiração para os movimentos dos bailarinos. O espetáculo já teve uma primeira apresentação esta quinta-feira, 23 de junho, porém pode ainda ser visto esta sexta-feira (às 20h), este sábado (às 18h30) e este domingo (às 16h).

Festival Impulso Parque Dom Carlos I e outros pontos da cidade, Caldas da Rainha. Programação a partir das 14h30. Bilhetes diários a 20€

Para celebrar a música portuguesa na região Oeste: também nas Caldas da Rainha o fim de semana será de propostas artísticas. O Festival Impulso já arrancou esta quinta-feira, mas esta sexta-feira e este sábado há ainda muitas atuações por ver: Club Makumba, Mão Morta, e Tomasa Del Real, entre outros, neste 24 de junho, e no sábado O Gringo Sou Eu, Maria Reis, Pluto, Fogo Fogo, Branko, Nídia e King Kami, por exemplo. Os bilhetes diários custam 20 euros e o festival é organizado conjuntamente pela Associação Impulso, pelo município das Caldas da Rainha e pela ESAD.CR — Escola Superior de Artes e Design das Caldas da Rainha (do Politécnico de Leiria).

O produtor e DJ, João Barbosa, mais conhecido como Branko. © ANDRÉ DIAS NOBRE / OBSERVADOR

Terra Rosa Country House & Vineyards Rua de São Pedro de Calvelo, 195, Ponte de Lima. Preços entre 180€ a 300€. Reservas podem ser efetuadas através do 926 438 466 ou reservations@terrarosa.pt

Para fazer uma vénia aos dias vagarosos do verão: fugir à rotina e entregar-se à arte do dolce far niente é a proposta do Terra Rosa Country House & Vineyards. Por estar localizado em pleno coração do Minho, “onde se respira uma ruralidade genuína”, este hotel incentiva a viver ao ritmo da natureza. No sítio onde os hóspedes se podem entregar à preguiça sem vergonhas, não escasseiam planos com o objetivo de tirar partido da tranquilidade. Destaque para os longos passeios, a pé ou de bicicleta, pelos 70 hectares da Quinta da Codeça, as massagens relaxantes entre as vinhas ou os piqueniques realizados nas margens do rio Neiva. Poderá igualmente mergulhar na “charmosa” piscina exterior, rodeada de laranjeiras, com água aquecida a uns 30 graus e um wine bar de apoio. Por entre os vastos vinhedos e espaços verdes, não faltam recantos “onde é fácil perder a noção do tempo”, com um livro na mão, a saborear um copo de vinho ou a observar as estrelas.

A Terra Rosa oferece, neste momento, sete quartos (três deles são suites e incluem uma pequena sala de estar).

Novo espaço dos Trobadores Calçada de São Francisco, 6A, Lisboa. De terça a sexta, das 12h às 2h. Sábado, das 16h às 2h. Preços variados. Tel.: 21 885 0329

Para viajar até a época medieval: por trás do negócio “e da farra”, estão quatro amigos de infância que abriram a primeira taberna medieval portuguesa em 2010 — desta forma, decidiram homenagear a História do nosso país. No “novo ponto de passagem de todos os cavalheiros e donzelas”, usufrua de pato confitado no forno com arroz de espargos e legumes, do típico bacalhau à Zé do Pipo e não esqueça o coelho à São Cristóvão com batata cozida e broa de milho tostada. E se o final da refeição exige algo doce, fique a saber que as sobremesas centram-se nos mirtilos frescos gelados com leite creme e amêndoa ou clementinas brandy com bola de gelado de baunilha e ganache de chocolate preto. E, claro, poderá encher o cálice com hidromel, bebida predileta neste reduto.

“Tempos houve em que as festas não tinham hora. Quando o galo cantava só a música sobrava, tocada por uns poucos sobreviventes. Eram boémios. Gente que cantava outra gente. Chamavam-lhes ‘Trobadores’”. Esta é a frase que carateriza o espaço.

Rock in Rio Parque da Bela Vista, Lisboa. Programação a partir das 17h. Bilhetes diários a 74€

Para nostalgia e funk brasileiro no Parque da Bela Vista: eis o Rock in Rio, de regresso para o seu segundo e último fim de semana. Este sábado a tarde e a noite serão de nostalgia no palco principal, com Bush (17h), UB40 feat Ali Campbell (19h), A-Ha (21h) e Duran Duran (23h), mas também com outras propostas nos palcos secundários como António Zambujo (18h), Arooj Aftab (também às 18h), Ney Matogrosso (20h) e Omar Souleyman (também às 20h). No dia seguinte, domingo, o recinto vira funkódromo com a brasileira Anitta (21h) e festa de hip-hop juvenil com Post Malone (23h), mas também haverá concertos de HMB (17h), Johnny Booker (18h), Jason Derulo (19h) e Mundo Segundo & Sam the Kid (22h15).

2022 Coachella Valley Music And Arts Festival - Weekend 1 - Day 1

Anitta vai meter o Rock in Rio a dançar este domingo. © Kevin Mazur/Getty Images for Coachella

Leonardo da Vinci — Experiência de Arte Imersiva Centro Comercial Colombo. Até 7 de agosto. Entrada gratuita

Para percorrer a obra incomparável de Leonardo da Vinci: inaugurada esta terça-feira, esta é uma exposição sobre um dos artistas mais importantes do Renascimento que, em 2022, vê celebrado o 570º aniversário do seu nascimento. Entre cor e música, o espetador é convidado a “perder-se” enquanto observa o famoso desenho “Homem Vitruviano”, estudos de máquinas de guerra como “A Catapulta” e as emblemáticas pinturas “Mona Lisa” e “A Dama com Arminho”. Estes e muitos outros trabalhos emblemáticos de Leonardo da Vinci podem ser visitados até dia 7 de agosto.

O Renascimento tem escala no Centro Comercial Colombo, em Lisboa

“Nunca mais é sábado” é uma rubrica que reúne as melhores sugestões para aproveitar o fim de semana.

NewsItem [
pubDate=2022-06-24 06:05:51.0
, url=https://observador.pt/2022/06/24/quesadillas-hip-hop-temakis-e-um-tributo-a-leonardo-da-vinci-15-coisas-para-fazer-no-fim-de-semana/
, host=observador.pt
, wordCount=2712
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2022_06_24_1808807273_quesadillas-hip-hop-temakis-e-um-tributo-a-leonardo-da-vinci-15-coisas-para-fazer-no-fim-de-semana
, topics=[exposições, dança, nunca mais é sábado, música, lazer, restaurantes]
, sections=[vida]
, score=0.000000]