www.computerworld.com.ptcomputerworld.com.pt - 24 jun. 04:00

A Apple não quer um metaverso, quer um melhor universo

A Apple não quer um metaverso, quer um melhor universo

A Apple vai querer levar a realidade aumentada para a intersecção da tecnologia e das artes liberais, para aumentar e melhorar as capacidades humanas.

A notícia de que a Apple não aderiu a uma aliança industrial totalmente nova que parece ser liderada principalmente pelos seus concorrentes não surpreende muito.

A realidade aumentada e virtual não deve ser definida como experiências de compras com design virtual, NFT e escapismo – estas poderosas ferramentas devem tornar-se soluções que se estendam e abracem o nosso universo existente.

Qual é a história?

A Apple aparentemente recusou juntar-se a um novo grupo chamado Metaverse Standards Forum, que inclui alguns dos maiores nomes nesta nova dimensão. Atualmente, as empresas membros incluem Microsoft, Sony, Nvidia, Adobe, e alguns dos maiores concorrentes da Apple, incluindo Facebook (agora Meta) e Epic Games.

Pelo que vale, a Alphabet também não aderiu ao grupo, que se descreve a si próprio como um espaço em que as empresas e organizações de normalização “promovem o alinhamento” sobre “normas de interoperabilidade metaversas”. Para o conseguir, o grupo diz que irá “acelerar” o desenvolvimento de normas através da execução de “projetos pragmáticos e baseados na ação”.

O que é o Metaverse Standards Forum?

A ideia subjacente a estes “projetos baseados na ação” é, aparentemente, ajudar diferentes visões do trabalho conjunto do metaverso, o que soa bem dentro de uma certa Janela de Overton. O que poderia não ser ótimo particularmente se todos eles oferecerem a oportunidade de gastar dinheiro não virtual em roupa de designer virtual.

Mais especificamente, o Fórum diz que pode envolver-se em “diversos domínios tecnológicos”, como por exemplo:

  • Ativos interativos em 3D e renderização fotorealista.
  • Interface humana e paradigmas de interação, incluindo AR, VR e XR.
  • Conteúdo criado pelo utilizador.
  • Avatares, gestão de identidade e privacidade.
  • Transações financeiras.
  • IOT e gémeos digitais.
  • Sistemas geoespaciais.

Vale a pena salientar que a Apple já está a trabalhar com algumas das 35 empresas fundadoras mencionadas no comunicado de imprensa do Metaverse Standards Forum. Trabalhou para desenvolver o formato de ficheiro USDZ 3D com a Adobe e a Pixar, por exemplo.

Vale também a pena observar que a Apple não oferece atualmente um produto para o metaverso, para além das capacidades de RA já disponíveis nas suas plataformas.

Os planos da Apple permanecem virtuais – por agora

Porque é que a Apple se juntaria a uma associação metaversa quando não tem um produto para tal? Fazê-lo constituiria uma admissão tácita da missão secreta da empresa.

O CEO da Apple, Tim Cook, deixou mais algumas pistas sobre os planos de RA da Apple, na China, na semana passada: “Não podia estar mais entusiasmado com as oportunidades no espaço. Fiquem atentos e verão o que temos para oferecer”, disse.

Mas não penso que seja apenas segredo ou desejo de colocar um pouco de distância entre a empresa e alguns dos seus concorrentes. Nem penso que represente a próxima iteração da guerra das normas.

(Alguns leitores podem lembrar-se das guerras entre a cassete de vídeo e as normas de televisão de alta definição – é provável que estas se repitam no chamado metaverso).

Penso que é uma diferença filosófica fundamental. Enquanto que a maior parte do zumbido em torno do metaverso é a ideia de colar óculos na cabeça para explorar experiências virtuais como ser uma personagem em “Os Sims”, penso que a visão da Apple se estende a implementações mais profundas.

Aumentar a realidade deveria tornar a realidade melhor, enquanto que a realidade virtual deveria dar às pessoas a oportunidade de experimentarem mundos melhores. A Apple vai querer levar estas tecnologias à intersecção entre a tecnologia e as artes liberais para aumentar e melhorar a capacidade humana. Trata-se de criar soluções que sejam verdadeiramente úteis para as pessoas.

A Apple não está a construir um metaverso

Quer alargar o universo, criando soluções que transformam vidas, em vez de permitir a criação de supra-realidades algo distópicas que confundem os nossos sentidos sem qualquer objetivo real.

Atualmente, o único risco real que enfrenta ao não aderir ao novo organismo de normalização é familiar à empresa: os concorrentes podem chegar primeiro ao mercado com as suas visões, mas a Apple esforçar-se-á por fornecer soluções que visem satisfazer necessidades humanas reais.

Já vimos isso antes com o iPhone, iPad, e Apple Watch. Experimentámo-lo com o iPod. O ressurgimento do Mac ao longo dos últimos 20 anos reflete a mesma realidade.

Em última análise, a conceção do produto exige que o que é produzido proporcione experiências significativas e orientadas para objetivos específicos. Não ficaria muito surpreendido se a Apple se envolvesse calmamente no novo grupo de normas, assumindo que o grupo pode ajudá-lo a fazer a diferença.

 Por Computerworld Tags
NewsItem [
pubDate=2022-06-24 03:00:19.0
, url=https://www.computerworld.com.pt/2022/06/24/a-apple-nao-quer-um-metaverso-quer-um-melhor-universo/
, host=www.computerworld.com.pt
, wordCount=726
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2022_06_24_1146032237_a-apple-nao-quer-um-metaverso-quer-um-melhor-universo
, topics=[apple, tecnologia, metaverso, metaverso/ realidade aumentada / realidade virtual, em destaque]
, sections=[ciencia-tecnologia]
, score=0.000000]