ionline.sapo.ptAfonso de Melo - 22 jun. 08:59

O Paraíso que não sai das ondas

O Paraíso que não sai das ondas

A diferença entre mim e eles, quando contemplamos esse céu de Verlaine, tão azul e tão calmo, é que há em mim uma vontade irresistível de Índia e eles se contentam com uma varanda em Alcácer.

O compositor alemão Jakob Liebmann Meyer Beer era de tal forma fascinado pelas óperas de Rossini que, a partir de certo momento da sua vida, preferiu italianizar o seu nome para Giacomo Mayerbeer. Morreu antes de ver subir ao palco a sua obra L’

Mayerbeer terminou A Africana em 1864 (ano da sua morte), mas nos anos-50, o dr. Francis Lefebure, um parisiense que tirou o curso de medicina mas acabou por se fanatizar pelo ocultismo por via da influência de Arthème Galip, ucraniano que, refugiado da IIGrande Guerra, desapareceria na América do Sul, passeou-se alegremente por Portugal assumindo-se como uma reencarnação de Vasco da Gama. Ninguém lhe prestou mais atenção do que a um pardal. Mesmo que suspirasse: “ò meu Paraíso saído das ondas...” Talvez porque as ondas continuem a encher as praias de lixo e o Paraíso não passe de uma promessa por cumprir. Hei-de  perguntar aos pardais. Eles sabem tudo porque conhecem o céu. afonso.melo@ionline.pt

NewsItem [
pubDate=2022-06-22 07:59:11.0
, url=https://ionline.sapo.pt/artigo/774255/o-paraiso-que-nao-sai-das-ondas?seccao=Opiniao_i
, host=ionline.sapo.pt
, wordCount=157
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2022_06_22_2080047411_o-paraiso-que-nao-sai-das-ondas
, topics=[opinião]
, sections=[opiniao]
, score=0.000000]