observador.ptObservador - 15 mai. 00:07

Patos bravos e aves de rapina

Patos bravos e aves de rapina

A indústria imobiliária alimentou a grande Revolução Suburbana que nas últimas décadas levou muita gente a desistir de verdadeiros modos de vida em troca de simples expedientes de sobrevivência.

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Quase ninguém fala disto, mas um dos piores problemas contemporâneos de Portugal é a construção civil. Que anda a dar cabo do país desde a década de 1960, aproveitando o último êxodo rural, o moderno turismo de massas e a nova ideologia do shopping e do cabeleireiro.

O pato-bravismo, com efeito, descaracterizou a maior parte das nossas cidades e vilas históricas, arrasou aldeias seculares, devastou campos de cultivo férteis, abateu matas e florestas, poluiu quase irremediavelmente os rios e cimentou os litorais mais bonitos.

Acima de tudo, a indústria imobiliária alimentou a grande Revolução Suburbana que nas últimas décadas levou muita gente a desistir de verdadeiros modos de vida em troca de simples expedientes de sobrevivência.

Em consequência, a longa faixa litoral que se desenrola do Minho ao Algarve é hoje um território devastado – uma infindável Mariupol onde alguns milhões de refugiados vindos do interior e do terceiro-mundo se acumulam em condições precárias e sub-humanas.

Não é exagero concluir que entre nós vigora, de facto, um regime político fundamentalmente empreiteirial. Assente, não na sustentabilidade ambiental, económica, social e cultural do país, mas num perigoso endividamento das famílias, das empresas e do Estado.

Trata-se no fundo de um regime dominado por uma elite extractiva de mestres-de-obras (incluindo naturalmente os patrões da grande indústria da construção), agiotas legais especializados no crédito para habitação e obras públicas praticamente inúteis, infrequentáveis oligarcas partidários e uma infinidade de caciques municipais. Gente cujo único ideal público consiste em acabar de cimentar Portugal.

NewsItem [
pubDate=2022-05-14 23:07:03.0
, url=https://observador.pt/opiniao/patos-bravos-e-aves-de-rapina/
, host=observador.pt
, wordCount=254
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2022_05_14_814539909_patos-bravos-e-aves-de-rapina
, topics=[habitação e urbanismo, opinião, paisagens]
, sections=[opiniao]
, score=0.000000]