eco.sapo.ptPedro Gomes Sanches - 14 mai. 11:38

Gestão do Conhecimento: um elefante no board (IV)

Gestão do Conhecimento: um elefante no board (IV)

Quando os trabalhadores deixarem de ser autómatos a quem se dá ordens, e passarem a ser autónomos que co-constroem a organização, a organização será maior que a soma das partes.
Conta a história, de tradição indiana, que certa vez um grupo de cegos ouviu dizer que um animal estranho, chamado elefante, viria à sua aldeia. Como nenhum deles conhecia tal animal, nem estava ciente da sua forma, do seu tamanho e das suas características, decidiram ir “conhecê-lo”. Para o efeito, usaram os sentidos de que dispunham, dando primazia ao tacto. O primeiro, cuja mão alcançou a tromba, disse "este ser é como uma cobra"; o segundo, tocou na orelha e concluiu que o elefante era uma espécie de abanador; o terceiro, tocando na perna, disse que o elefante era parecido com um tronco de árvore; o quarto, tocando no elefante de lado, imaginou o elefante como uma parede; o quinto, tocou na cauda e descreveu o animal como uma liana; e o último, tocando na sua presa, afirmou convicto
NewsItem [
pubDate=2022-05-14 10:38:02.0
, url=https://eco.sapo.pt/opiniao/gestao-do-conhecimento-um-elefante-no-board-iv/
, host=eco.sapo.pt
, wordCount=139
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2022_05_14_761435756_gestao-do-conhecimento-um-elefante-no-board-iv
, topics=[opinião]
, sections=[opiniao]
, score=0.000000]