www.jn.ptjn.pt - 14 mai. 01:02

#inocência

#inocência

Era pequenino quando me apanhou a chorar. Dias antes tinha sido eu que o encontrara lavado em lágrimas porque o feijoeiro que nasceu de um feijão, colocado num algodão que deveria estar sempre molhado, secara. O meu filho esquecera-se de regá-lo.

No dia em que foi a minha vez de ser apanhada em pranto, ele veio ter comigo e enroscou-se como um gato. Perguntou-me porque estava triste. Disse-lhe que tinha perdido uma pessoa de quem gostava muito. Ele não entendeu. "Perdeste? Como?". Fiquei engasgada. Não sabia como falar da dor da morte olhando para alguém que ainda tinha tão pouco de vida. "Olha, foi assim como a tua plantinha. Morreu". A resposta foi desconcertante e ainda hoje recordada, muitos anos depois: "Não regaram a tua amiga, foi?" (Aos meninos a quem os abusos tiraram a felicidade da inocência.)

*Jornalista

NewsItem [
pubDate=2022-05-14 00:02:00.0
, url=https://www.jn.pt/opiniao/margarida-fonseca/inocencia-14855293.html
, host=www.jn.pt
, wordCount=97
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2022_05_14_1925852686_-inocencia
, topics=[opinião, margarida fonseca, opiniao]
, sections=[opiniao]
, score=0.000000]