visao.sapo.ptsvicente - 13 mai. 08:30

Visão | O tamboreiro

Visão | O tamboreiro

A guerra que agora vivemos espalhou tanta pólvora sobre os caminhos que é bem possível que os vivos e os mortos se tenham perdido uns dos outros

Venho contar-vos a história de como Txumari Malamba, o grande tocador de tambores, encontrou os meus filhos que tinham sido emboscados durante a guerra. 

Antes de começar este relato, devo anunciar quem está dentro destas palavras. Nós, os achikunda, falamos da vida através dos nossos mortos. Apresento-me, pois: sou filho de João Mutisse. Dizem que pisou numa mina. Prefiro pensar que se converteu numa dessas nuvens que se cansam e se deitam por baixo da terra. Fiquei viúvo de Juvi e de Mdjujera, que dormiam nas suas casas quando a aldeia foi incendiada. Sobreviveu a minha esposa do meio chamada Nkabu. É ela que, todas as manhãs, se ergue da minha sombra. 

NewsItem [
pubDate=2022-05-13 07:30:00.0
, url=https://visao.sapo.pt/opiniao/a/mapeador-de-ilhas/2022-05-13-o-tamboreiro/
, host=visao.sapo.pt
, wordCount=112
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2022_05_13_708216324_visao-o-tamboreiro
, topics=[opinião, mia couto, mapeador de ilhas, crónica]
, sections=[opiniao]
, score=0.000000]