A próxima jogada, decorrente da aposta (até ver errada) da invasão da Ucrânia, está relacionada com a perda da influência nos países vizinhos, que sentem ter na NATO o seu guarda-chuva protetor.