O dever de Zelensky era ficar no seu posto e apelar à resistência ao invasor – pois, em qualquer país do mundo, o chefe de Estado compromete-se no seu juramento a defender o território. Putin e Zelensky não podem, pois, ser considerados no mesmo plano. Um é o agressor, o outro é o agredido.