rr.sapo.ptrr.sapo.pt - 15 jan. 17:24

População do litoral alentejano em protesto por carências na saúde

População do litoral alentejano em protesto por carências na saúde

Falta de médicos, e outros profissionais de saúde, aumento dos tempos de espera

Há 5 mil utentes sem médico de família, e essa é uma das razões que levou a população do litoral alentejano a concentrar este sábado em protesto, em Vila Nova de Mil Fontes.

Esta tarde, reuniram-se junto à Capela do Colégio da Nossa Senhora da Graça a contestar também o estado de degradação das unidades de saúde e contra os tempos de espera no Hospital do Litoral Alentejano

Dinis Silva, das Comissões de Utentes do Litoral Alentejano refere que a falta de médicos, enfermeiros e técnicos de saúde é um problema na região.

“Que se contrate mais profissionais de saúde, há cerca de 100 enfermeiros em falta em toda a unidade de saúde do Litoral Alentejano, hã falta de médicos de diversas especialidades. Só há um médico cardiologista para 100 mil utentes, um médico urologista para 100 mil utentes”, explica.

A mesma fonte diz que as carências se estendem aos assistentes operacionais, assistentes técnicos e técnicos de diagnóstico e terapêutica.

Houve promessas de investimento em novas unidades de saúde, dizem os utentes do litoral alentejano, mas até ao momento sem resultados. A pandemia de Covid-19 veio agravar ainda mais os tempos de espera e as listas de espera no Hospital do Litoral Alentejano.

NewsItem [
pubDate=2022-01-15 17:24:05.0
, url=https://rr.sapo.pt/noticia/pais/2022/01/15/populacao-do-litoral-alentejano-em-protesto-por-carencias-na-saude/268419/
, host=rr.sapo.pt
, wordCount=198
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2022_01_15_1653597736_populacao-do-litoral-alentejano-em-protesto-por-carencias-na-saude
, topics=[informação, país]
, sections=[sociedade]
, score=0.000000]