www.jn.ptjn.pt - 14 jan. 18:07

Desde 1942 que não havia mais de 125 mil óbitos

Desde 1942 que não havia mais de 125 mil óbitos

Covid-19 responde por quase 10% da mortalidade registada no ano passado. Nascimentos em queda e saldo natural negativo agravou-se até novembro

Sem surpresas, depois de níveis de mortalidade nunca vistos em janeiro, em plena terceira vaga pandémica, 2021 fecha com mais de 125 mil óbitos. É preciso recuar a 1942 para verificar tal grandeza, num ano em que morreram no nosso país 126 531 pessoas. Com a natalidade em contínua queda, aquele nível de mortalidade agravou ainda mais o saldo natural do país, negativo há 13 anos consecutivos. Sendo já o pior desde, pelo menos, 1960.

De acordo com os dados ontem divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística, no ano passado morreram 125 032 pessoas, num acréscimo de 1,1% face a 2020 (marcado já pela pandemia e por sobremortalidade) e de 11,3% face a 2019. Daquele total, a covid respondeu por 9,6% (12 004).

NewsItem [
pubDate=2022-01-14 18:07:00.0
, url=https://www.jn.pt/nacional/desde-1942-que-nao-havia-mais-de-125-mil-obitos-14492955.html
, host=www.jn.pt
, wordCount=123
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2022_01_14_1732971247_desde-1942-que-nao-havia-mais-de-125-mil-obitos
, topics=[demografia, natalidade, covid-19, nacional, �bitos]
, sections=[sociedade]
, score=0.000000]