observador.ptobservador.pt - 25 nov. 09:55

Moçambique/Ataques: serviços locais de saúde recusaram grávidas em fuga

Moçambique/Ataques: serviços locais de saúde recusaram grávidas em fuga

Serviços locais de saúde em Palma, em Cabo Delgado (Moçambique) recusaram grávidas em fuga, descreve um relatório humanitário que alerta para o aumento de conflitos entre deslocados e comunidades.

Serviços locais de saúde nalgumas aldeias de Palma, em Cabo Delgado, recusaram atender grávidas em fuga, descreve um relatório de organizações humanitárias que alerta para o aumento de conflitos entre deslocados e comunidades de acolhimento.

“Provas de discriminação contra deslocados foram mencionadas em relação a prestadores de serviços. Mulheres grávidas ou que acabaram de dar à luz relataram ter caminhado durante cinco horas até serviços de saúde para serem rejeitadas”, descreve o documento sobre uma missão liderada pelo Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA).

“A tensão entre anfitriões e deslocados foi identificada e pode tornar-se numa grande preocupação” ligada à “falta de acesso a serviços básicos” e devido a “assistência e recursos naturais limitados”, de acordo com as reuniões e conversas mantidas pelas organizações humanitárias com a população.

“Ambas as comunidades”, anfitriões e deslocados, “sentem que as relações são negativas e parecem estar a deteriorar-se”, lê-se no relatório.

Há líderes comunitários que negam o acesso de crianças à escola e promovem a exclusão das famílias deslocadas das listas de distribuição de alimentos e outros bens, ouviram os agentes humanitários.

Segundo outro relato, na aldeia de Monjane (ou Mondlane) os deslocados são acusados ??de destruir mudas de caju da comunidade anfitriã e de ocupar casas e abrigos

O relatório sugere que sejam identificados os principais intervenientes na tensão entre comunidades por forma a “desenvolver um plano de coesão social”.

A tarefa requer maior presença de organizações humanitárias em cooperação com o Governo, o que ainda é difícil por causa dos receios de segurança na zona, lê-se no relatório.

O aumento de conflitos internos é um reflexo de problemas estruturais reiterados no documento: falta comida, serviços básicos, há traumas de guerra e riscos sérios de violência e abusos sexuais contra mulheres e crianças, por vezes por nem sequer haver noção de que não devem ser permitidos.

A província de Cabo Delgado é rica em gás natural, mas aterrorizada desde 2017 por rebeldes armados, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

O conflito já provocou mais de 3.100 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e mais de 817 mil deslocados, de acordo com as autoridades moçambicanas.

Desde julho, uma ofensiva das tropas governamentais com o apoio do Ruanda a que se juntou depois a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) permitiu aumentar a segurança, recuperando várias zonas onde havia presença de rebeldes, nomeadamente a vila de Mocímboa da Praia, que estava ocupada desde agosto de 2020.

NewsItem [
pubDate=2021-11-25 09:55:28.0
, url=https://observador.pt/2021/11/25/mocambique-ataques-servicos-locais-de-saude-recusaram-gravidas-em-fuga/
, host=observador.pt
, wordCount=403
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2021_11_25_1423725904_mocambique-ataques-servicos-locais-de-saude-recusaram-gravidas-em-fuga
, topics=[moçambique]
, sections=[]
, score=0.000000]