visao.sapo.ptapfigueiredo - 27 out. 18:00

Visão | Sei o que fizeste no Orçamento passado

Visão | Sei o que fizeste no Orçamento passado

O Orçamento passou ou chumbou porque os partidos fizeram contas. Dito assim, parece uma banalidade. Mas, após um exame mais profundo, é mesmo uma banalidade. Só que não é a banalidade que parece. Os partidos não fizeram contas à alocação de verbas no Orçamento, fizeram contas aos resultados eleitorais

Como creio que o leitor adivinha, não tenho outra alternativa que não seja escrever um daqueles textos que começam com a expressão “no momento em que escrevo”. São textos em que o cronista admite que tem muito menos informações sobre o tema em análise do que o público, mas não é isso que o vai impedir de dar a sua preciosa opinião, por mais desactualizada que possa estar. No momento em que escrevo, não se sabe ainda se o Orçamento do Estado será aprovado. O leitor já sabe, pelo que não tem interesse nenhum em ler o que pensa quem escreveu antes de se saber. Felizmente, como já tive ocasião de provar por várias vezes, os factos são totalmente irrelevantes para a formação da minha opinião. A realidade tem tentado, mas nunca me conseguiu travar. Seja qual for o desfecho da votação do Orçamento, o que eu penso é o seguinte: o Orçamento passou ou chumbou porque os partidos fizeram contas. Dito assim, parece uma banalidade. Mas, após um exame mais profundo, é mesmo uma banalidade. Só que não é a banalidade que parece. Os partidos não fizeram contas à alocação de verbas no Orçamento, fizeram contas aos resultados eleitorais. A razão pela qual o Orçamento passou ou chumbou foi essa: após complicados cálculos, os partidos compreenderam que teriam mais a ganhar ou a perder caso o Orçamento passasse ou chumbasse. Foi por isso que o Orçamento passou ou não passou. Penso que esta lógica é cristalina.

O leitor perguntará, e bem: e agora? O que se segue a esta aprovação ou chumbo? A resposta é: o costume. Haverá uma longa discussão para saber quem teve o mérito e o sentido de Estado de aprovar o Orçamento, ou quem foi irresponsável a ponto de deixar o País sem rumo. Por outro lado, teremos um debate interessante que permitirá apontar os culpados pela aprovação de um Orçamento iníquo, ou os heróis que, com firmeza e coerência, conseguiram chumbar um documento que iria lançar o País no abismo. Seja como for, temos sempre esta garantia tranquilizadora: mesmo quando não fazemos ideia do que vai acontecer, sabemos que Portugal continua a ser previsível. Já não é mau.

(Crónica publicada na VISÃO 1495 de 28 de outubro)

Os textos nesta secção refletem a opinião pessoal dos autores. Não representam a VISÃO nem espelham o seu posicionamento editorial.

NewsItem [
pubDate=2021-10-27 17:00:00.0
, url=https://visao.sapo.pt/opiniao/cronicas/boca-do-inferno/2021-10-27-sei-o-que-fizeste-no-orcamento-passado/
, host=visao.sapo.pt
, wordCount=390
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2021_10_27_2020908954_visao-sei-o-que-fizeste-no-orcamento-passado
, topics=[opinião, boca do inferno, crónicas, crónica, ricardo araújo pereira]
, sections=[opiniao]
, score=0.000000]