rr.sapo.ptrr.sapo.pt - 14 out. 19:04

​Costa diz que ciclo político "não acabou" e o PS "nunca" o irá quebrar

​Costa diz que ciclo político "não acabou" e o PS "nunca" o irá quebrar

Na reunião que teve esta quinta-feira com os deputados do PS, o primeiro-ministro fez questão de afastar o cenário de eleições legislativas antecipadas, alertando que quem quiser quebrar o atual ciclo político "não terá o apoio" dos portugueses.

Depois da pressão do Presidente da República sobre as consequências de um eventual chumbo do Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), que "poderiam levar" a legislativas antecipadas, o primeiro-ministro vem garantir que o atual "ciclo político não acabou" e que os portugueses não querem que acabe na convocação de eleições.

Na reunião com os deputados do PS no parlamento e à porta fechada, António Costa fez questão de defender que, se esse cenário viesse a confirmar-se, ou seja, um chumbo do OE e eleições antecipadas, a composição parlamentar não iria alterar-se substancialmente.

Segundo fontes presentes na reunião disseram à , António Costa referiu mesmo que o PS "nunca" irá quebrar o atual ciclo político e que quem o fizer "não terá o voto dos portugueses", sem, porém, nomear qualquer partido à esquerda, seja PCP ou Bloco de Esquerda.

Aos deputados, Costa garantiu ainda que o Governo dialogou com os habituais parceiros à esquerda para preparar o OE e continua de "porta aberta", dando outra garantia, a de que "a porta é para contar com os dois", com comunistas e bloquistas e que a negociação se mantém bilateral.

O líder socialista não fez qualquer leitura política sobre a posição do PCP ou do BE em relação à proposta de OE que deu entrada no Parlamento, de que, tal como está, chumbariam o documento.

Mas António Costa reforçou o sinal de que o PS conta com ambos "no mesmo barco", alertando para o risco de a direita capitalizar com o eventual chumbo do texto.

Continuando nesta linha de raciocínio, Costa terá ainda alertado para outro risco: o de cada partido à esquerda do PS estar à espera da posição do parceiro do lado sobre o OE, com o aviso de que é preciso fazer um esforço conjunto e todos contribuírem para no final não haver surpresas, falando ainda na "maturidade" que é necessária para manter um caminho à esquerda.

Tudo isto depois de na intervenção à porta aberta e com a presença dos jornalistas António Costa ter falado da "humildade" com que o partido e o Governo têm de apresentar-se nas negociações com os parceiros, tendo sempre em conta que o PS não tem maioria parlamentar para aprovar o Orçamento.

Uma proposta que o primeiro-ministro pretende que se centre na recuperação do país, tendo sempre em vista o equilíbrio financeiro, referindo na sessão à porta fechada que o PS foi o partido que recuperou as contas públicas e que esse é um capital que os socialistas querem manter.

Aos deputados, Costa referiu ainda que este é um Orçamento "para o país" e não para a direita ou para a esquerda, e terá mesmo reforçado essa ideia ao defender que "não vale a pena ter um OE aprovado com o peso na consciência de que não é bom para o país".

Sobre as declarações do Presidente da República desta quarta-feira, em que Marcelo Rebelo de Sousa fez vários avisos sobre as consequências que um OE chumbado teria, nem uma palavra de António Costa, nem à porta aberta nem à porta fechada.

A deputada Isabel Moreira foi a única a manifestar-se na reunião, referindo que se tratou de "uma intervenção muito clarificadora" e uma "excelente aula de Direito Constitucional".

NewsItem [
pubDate=2021-10-14 18:04:15.0
, url=https://rr.sapo.pt/noticia/politica/2021/10/14/costa-diz-que-ciclo-politico-nao-acabou-e-o-ps-nunca-o-ira-quebrar/256879/
, host=rr.sapo.pt
, wordCount=524
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2021_10_14_172053930_-costa-diz-que-ciclo-politico-nao-acabou-e-o-ps-nunca-o-ira-quebrar
, topics=[informação, política]
, sections=[actualidade]
, score=0.000000]