observador.ptObservador - 15 out. 00:06

Pedofilia na Igreja – a propósito e a despropósito

Pedofilia na Igreja – a propósito e a despropósito

Como membro desta Igreja e instituição e seu sacerdote (presbítero) sinto-me envergonhado e magoado por tanta indignidade. Mas não basta lamentar. É preciso tirar consequências. É preciso saber quais.

Na semana passada, pela própria Igreja, foi tornado público um relatório de uma comissão independente que investigou as acusações e suspeitas de actos de pedofilia sobre crianças e jovens, por membros de instituições ligadas a Igreja Católica, em França, nos últimos 20 anos.

A conclusão é devastadora e vergonhosa: cerca de 200 mil crianças e jovens foram abusados por cerca de 2900 a 3200 “religiosos” (isto é, membros do clero e de ordens e congregações religiosas) e colaboradores variados das suas instituições.

Numa Igreja que se considera defensora e promotora das pessoas, dos jovens e da dignidade humana, é quase inacreditável!…

Como membro desta Igreja e instituição e seu sacerdote (presbítero) sinto-me envergonhado e magoado por tanta indignidade.

Mas não basta lamentar. É preciso tirar consequências. Quais?

  1. Antes de mais, pôr as vitimas no “centro do problema”, começando por ouvi-las e na (fraca) medida do possível, compensá-las. No centro, repito, pôr as vitimas e não as instituições, por mais sagradas que sejam. A verdade acima dos interesses e da aparência.
  2. Acabar com a política de ocultação e segredo e de “paninhos quentes” que permitiu e potenciou os abusos e os abusadores…
  3. Promover e acompanhar uma melhor e mais cuidada formação (religiosa, psicológica e afectiva) dos educadores, religiosos e colaboradores leigos.
  4. Punir, severamente, também na ordem civil, os culpados de tais desvios, abusos, aberrações e ocultamentos.

Este o modo como vejo os factos e modo como proponho que sejam combatidos.

Mas estes mesmo factos, inegáveis e vergonhosos, tem dado lugar a algumas ilações inaceitáveis, algumas chegando ao ridículo.

  1. Indigna-se alguém com responsabilidade (director do jornal “o Público”) declarando que “o silêncio da Igreja Católica Portuguesa é inexplicável”. Será? A Igreja Católica portuguesa tem procurado pôr em ação todos os mecanismos propostos e promovidos pela Igreja Universal (sobretudo a partir do actual Papa e do seu antecessor). Conhece o autor do artigo outros casos que escapam ao filtro e à justiça? Deverão as dioceses acusar mais pessoas para satisfazerem as estatísticas? Se conhece mais casos, ocultos, por favor e com pressa, denuncie-os aos bispos e à justiça civil.
  2. 4% a 6% de “religiosos” estarão envolvidos nestes escandalosos abusos. É imenso. Isso faz ressaltar que a 94% a 96% de “religiosos”, nada foi apontado. Não será de referenciar esse facto?
  3. Outro articulista relaciona a pedofilia dos religiosos com a obrigação do celibato sacerdotal. É caricata uma afirmação destas! Muitos dos chamados religiosos não são sacerdotes e não estão obrigados ao celibato sacerdotal. Por outro lado, segundo os estudos sociológicos mais recentes, os ambientes sociais onde se verificam mais abusos são, por ordem de grandeza: primeiro, a família; segundo, os amigos; terceiro, finalmente, a Igreja… Que eu saiba a família das vítimas e os amigos não tem votos de castidade ou de celibato sacerdotal.

Convém que antes de se escrever, se pense no que se diz!

Évora – 8 de Outubro de 2021

NewsItem [
pubDate=2021-10-14 23:06:16.0
, url=https://observador.pt/opiniao/pedofilia-na-igreja-a-proposito-e-a-desproposito/
, host=observador.pt
, wordCount=464
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2021_10_14_1315604836_pedofilia-na-igreja-a-proposito-e-a-desproposito
, topics=[opinião, igreja católica, abusos na igreja]
, sections=[opiniao]
, score=0.000000]