observador.ptobservador.pt - 13 out. 19:45

Livraria Lello apela em carta aberta que livros passem a ser objeto de prescrição médica

Livraria Lello apela em carta aberta que livros passem a ser objeto de prescrição médica

Salientando que "nunca, como agora, se discutiu tanto a saúde mental", a missiva defende que os livros são "um alicerce insubstituível de sanidade mental", pelo que devem ser "despesa da saúde".

A administração da Livraria Lello, no Porto, enviou uma carta aberta aos líderes parlamentares e deputados da Assembleia da República a apelar que os livros passem a ser “objeto de prescrição médica” e “tratados fiscalmente como despesa de saúde”.

Em comunicado, a administração da Livraria Lello revela que a missiva apela para que a receita de livros seja tratada como despesa de saúde e que a medida seja incluída no Orçamento de Estado de 2022, cuja proposta foi entregue segunda-feira na Assembleia da República.

“Para o bem-estar mental, intelectual e anímico, precisamos do que sempre a humanidade precisou para estar bem consigo e, logo a seguir, querer ir além do que é: o Livro”, defende a administração.

Sob o lema “Um Livro, pela sua Saúde”, na carta, a que a Lusa teve esta quarta-feira acesso, a administração daquele espaço diz não querer que o “fim anunciado da pandemia” signifique “o fim do olhar para o livro como bem de primeira necessidade”.

Salientando que “nunca, como agora, se discutiu tanto a saúde mental”, a missiva defende que os livros são “um alicerce insubstituível de sanidade mental”.

“Numa altura em que se discutem ideias para o Orçamento de Estado para 2022 a Livraria Lello apela publicamente aos políticos e à Assembleia da República que permitam que os médicos portugueses receitem, sempre que o entendam útil à saúde mental dos seus pacientes, o singelo Livro”, referem.

Apontando o exemplo de Bruxelas, onde se está a ultimar a implementação de uma medida que vai permitir aos médicos receitarem visitas guiadas a museus para combater o stress agravado pela Covid-19, a administração pede na carta aberta para que a receita possa ser fiscalmente tratada como “despesa de saúde”.

“Considerando-a também como dedutível nas despesas de saúde em sede de IRS e comparticipando a aquisição do livro como medicamento para alma que é e sempre foi”, acrescentam.

Para além do envio da missiva aos líderes dos grupos parlamentares, a carta aberta foi também enviada para várias personalidades da área da cultura.

“Estando o país em período prévio de negociação e votação orçamentais, a Livraria Lello acredita que esta é uma oportunidade imperdível para os deputados que nos representam dizerem aos cidadãos como efetivamente se preocupam com a sua saúde mental, e que o Livro, além de um bem de primeiríssima necessidade, é também um bem de primeiríssima sanidade”, afirma.

NewsItem [
pubDate=2021-10-13 18:45:16.0
, url=https://observador.pt/2021/10/13/livraria-lello-apela-em-carta-aberta-que-livros-passem-a-ser-objeto-de-prescricao-medica/
, host=observador.pt
, wordCount=384
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2021_10_13_635945168_livraria-lello-apela-em-carta-aberta-que-livros-passem-a-ser-objeto-de-prescricao-medica
, topics=[orçamento do estado, saúde mental, livros, ciência, medicamentos, livrarias]
, sections=[vida, ciencia-tecnologia]
, score=0.000000]