sol.sapo.ptRoberto Knight Cavaleiro - 13 out. 00:00

Alianças e Ruturas Anglo-Portuguesas - Parte 1

Alianças e Ruturas Anglo-Portuguesas - Parte 1

A Europa medieval consistia em grande parte de uma colcha de retalhos de pequenas monarquias, principados e cidades-estado que foram cimentadas por um complicado sistema de união matrimonial entre a realeza e a nobreza

A península ibérica consistia em cinco monarquias católicas no norte: de oeste a leste de Portugal, Leão-Galizia, Castela, Navarra e Aragão, enquanto todo o sul era governado pela dinastia islâmica dos Almóadas.

Portugal foi conduzido à nacionalidade pelo notável rei Afonso Henriques que, aos 17 anos, tomou o poder da sua mãe, Teresa de Leão. Ela obteve a sua riqueza e poder aceitando sua meia-irmã, Urraca, como suserana. Um ano após a Batalha de São Mamede (1128), ele proclamou a independência de Leão e a si mesmo como Príncipe de Portugal. Ele então embarcou em campanhas contra os mouros que culminaram com a grande vitória em Ourique (1139) e com a aceitação da coroa de um estado agora totalmente independente.

O jovem rei, com poucos recursos, foi incapaz de continuar as suas campanhas contra os mouros que controlavam firmemente o sul do seu reino até Lisboa e Sintra até que, em 1147, uma frota transportando mil cavaleiros / cruzados ancorou na foz do Douro. O poderoso conselheiro de Afonso, o arcebispo João Peculiar, convenceu um grupo de guerreiros ingleses (140), alemães (120) e flamengos (40) a se juntar ao cerco de Lisboa em troca do direito de saquear os mouros e resgatar os seus prisioneiros. Depois de um cerco que durou quatro meses, essa aliança acabou sendo bem-sucedida, mas não depois de muitas discussões sobre as posições a serem atacadas e a divisão dos despojos.

Alguns destes cruzados-saqueadores aceitaram o convite de D. Afonso para residir no seu reino como milícia doméstica, cuja lealdade era assumida diretamente à Coroa. Gilberto de Hastings tornou-se bispo da Sé de Lisboa, enquanto outros foram nomeados para cargos na corte e todos receberam terras ou propriedades. Em 1189, um contingente de ingleses e flamengos da terceira cruzada regateou com o rei D. Sancho I a conquista da cidade de Silves aos mouros. Fizeram isso, mas os cruzados saquearam e pilharam os vinte mil habitantes portugueses, causando uma grande desordem. Um ano depois, o Rei Ricardo I (o Coração de Leão) destacou seiscentos das suas tropas inglesas para aliviar o cerco de Santarém pelos mouros. Em ambos os casos, alguns desses “guerreiros sagrados” optaram por se juntar aos seus irmãos de quarenta anos antes como servos da coroa.

Este anglicanismo (inicialmente de natureza militar) aumentou nos anos seguintes da dinastia borgonhesa e conduziu à formação das primeiras “câmaras de comércio” nos principais portos do Porto e Lisboa para estimular o comércio com a Inglaterra iniciado pelos mercadores portugueses no século XI. Em 1294 foi assinado um Tratado entre o Rei Eduardo I de Inglaterra e D. Dinis I que ratificou esse comércio. A expansão foi incentivada com o fornecimento gratuito de madeira proveniente da floresta real de Leiria para a construção de navios com mais de cem toneladas que poderiam ser utilizados tanto para o comércio como para a guerra.

Em toda a Europa, eram tempos turbulentos. Em 1295 os reinos da Escócia e da França criaram “a antiga aliança” para assistência militar e comercial mútua e em 1297 o Tratado de Alcanizes (quase) estabeleceu as fronteiras entre Portugal e Castela-Leão que estavam em aliança com a França. Como resultado, a Inglaterra foi cercada por inimigos ao norte, leste e sul, então fazia sentido político aumentar a amizade com os portugueses que incluíam na sua nação uma pequena mas influente comunidade inglesa. Esses interesses políticos convergentes foram levados ao ápice por um tratado formal assinado em 1369 entre a França e Castela, que colocou a grande frota desta última à disposição da primeira na sua guerra contra a Inglaterra.

Os ingleses reagiram propondo uma aliança mais estreita com Portugal, que também promoveria a reivindicação dinástica do duque de Lancaster (John of Gaunt) ao trono de Castela. Em julho de 1372, em Braga, João Andeiro, embaixador na corte inglesa, e Lancaster concluíram os termos, mas estes foram suspensos por causa de uma disputa entre Henrique II de Castela e Fernando I sobre a sucessão aos tronos e seu casamento (que havia sido proposto no Tratado de Alcoutim) com uma princesa castelhana. A guerra estourou e o exército de Castela entrou em Portugal para capturar Coimbra, obrigando o rei Fernando a assinar um tratado de paz em Santarém em 13 de março 1373 que tornou Portugal subserviente à Espanha e inimigo do rei Eduardo III da Inglaterra. No entanto, tendo recebido de Lancaster a firme promessa de assistência militar e naval e a distração de Henrique II com rebeliões e guerras em outros locais, Fernando I perfidamente assinou, seis meses depois, um Tratado com o rei da Inglaterra Eduardo III que selou acordos militares mútuos e de cooperação comercial.

As consequências deste Tratado de 1373 serão tratadas na Parte 2: Do Tratado de Windsor aos Tempos Modernos

Imagem 1 - Rei D. Afonso Henriques

Imagem 2 - Rei D. Fernando I

Imagem 3 - Rei Eduardo III de Inglaterra

NewsItem [
pubDate=2021-10-12 23:00:00.0
, url=https://sol.sapo.pt/artigo/749292/aliancas-e-ruturas-anglo-portuguesas-parte-1
, host=sol.sapo.pt
, wordCount=802
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2021_10_12_1447466279_aliancas-e-ruturas-anglo-portuguesas--parte-1
, topics=[opinião, opiniao]
, sections=[opiniao]
, score=0.000000]