visao.sapo.ptClara Cardoso - 15 set 08:17

Visão | Deixem o vice-almirante em paz!

Visão | Deixem o vice-almirante em paz!

Só há uma coisa de que as pessoas gostam mais do que de fabricar heróis: é deitá-los por terra na primeira curva da estrada. Se Gouveia e Melo cair na asneira de entrar na política vai arrepender-se depressa

Na terra em que se desdenha permanentemente, e por sistema, de todos os que se dedicam à atividade política, coexiste uma pulsão no sentido de querer alcandorar ao estatuto de herói todo aquele que se distingue por alguma ação pública considerada positiva. Desta vez, calhou ao vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, o coordenador da task force da vacinação nacional contra a Covid-19, uma das maiores operações de emergência de sempre que se propunha vacinar massivamente a população portuguesa em tempo recorde.

O homem é militar com provas dadas, respeitado na Marinha pelos seus pares e subordinados e desde que assumiu estas funções revelou capacidade de planeamento, liderança e gestão de equipas, tendo cumprido a sua missão com todo o empenho e eficiência, tendo, por isso, sido reconhecido publicamente pelo Governo e condecorado pelo Presidente da República. Como bom profissional que é, espera concluir a tarefa e regressar à Marinha, sete meses depois.

Mas vão-se ouvindo muitas vozes por aí que clamam pela sua entrada na política, apesar de o próprio já ter dito e repetido que não tem jeito para a política, não quer ser político e que o deixem continuar a carreira que escolheu nas forças armadas. E as vozes vão insistindo que não senhor, que tem que assumir as suas responsabilidades perante o País, blá, blá, blá. É tempo de dizer: deixem o homem em paz. Agradeçam-lhe e respeitem-no. Ponto.

Estes equivocados acham que o sucesso da operação se deve apenas ao simples facto de Gouveia e Melo ser militar. Nada mais errado. Foi por ser ele. Teve a capacidade de se adaptar à realidade e despir um pouco a farda de militar: “Aprendi a trabalhar num sistema menos hierarquizado, em que o processo de negociação é a essência, o que, em geral, não acontece nos militares. Aprendi a negociar até à exaustão porque essa negociação é a cola de toda a operação. Negociei e discuti ideias até haver quase consenso de grupo.”

O sucesso também não se deve a um homem providencial (lá está o sebastianismo à espreita!) mas a toda uma equipa. O Estado-Maior da task force juntou militares de elite como matemáticos, médicos, analistas e peritos em estratégia do Exército, da Força Aérea e da Marinha, a rondar os trinta elementos.

Os especialistas em liderança reconhecem-lhe as qualidades e a excelência do seu trabalho, a vocação, sentido de disciplina e grande controlo emocional, que há quem sugira ter origem nos anos em que “andou submerso em submarinos”. Esquecem uma coisa, é que, como bom militar, se limitou a cumprir a missão que lhe foi confiada.

.

Há dois mil anos, o apóstolo Paulo viajava no mare nostrum quando sofreu naufrágio e foi dar à ilha de Malta. Os habitantes acolheram-nos na praia e o apóstolo foi procurar uns gravetos para fazer uma fogueira pois os náufragos estavam todos encharcados pelas águas e pela chuva. De repente, uma cobra venenosa mordeu-o e os malteses começaram a dizer que Paulo seria criminoso: “certamente este homem é homicida, visto como, escapando do mar, a justiça não o deixa viver.” Mas Paulo sacudiu a víbora e não sofreu qualquer mal, para surpresa dos habitantes da ilha “E eles esperavam que viesse a inchar ou a cair morto de repente; mas tendo esperado já muito, e vendo que nenhum incómodo lhe sobrevinha, mudando de parecer, diziam que era um deus” (Actos 28:6). Portanto, o apóstolo passou de “homicida” a “deus” num abrir e fechar de olhos. Este é um retrato eloquente da opinião pública e de como as massas são tão voláteis.

O País gosta de projetar expectativas elevadas sobre aqueles que saem da mediania, por isso querem transformar Gouveia e Melo em “herói”, mesmo contra a sua vontade, esquecendo a sua equipa, os profissionais de saúde que participaram neste esforço em todo o País, o apoio do Governo, da DGS e a postura da população.

Deixem o homem em paz. Cumpriu uma missão e fê-lo de forma brilhante pelo que foi condecorado em reconhecimento do bom trabalho realizado. Agora deixem-no seguir a sua carreira militar e em vez de o querer atirar para a arena política, imitem-lhe o exemplo no vosso desempenho profissional.

Os textos nesta secção refletem a opinião pessoal dos autores. Não representam a VISÃO nem espelham o seu posicionamento editorial.

NewsItem [
pubDate=2021-09-15 07:17:21.0
, url=https://visao.sapo.pt/opiniao/ponto-de-vista/2021-09-15-deixem-o-vice-almirante-em-paz/
, host=visao.sapo.pt
, wordCount=704
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2021_09_15_859984385_visao-deixem-o-vice-almirante-em-paz
, topics=[opinião, atualidade]
, sections=[opiniao, actualidade]
, score=0.000000]