António Costa tem sido particularmente claro na defesa de uma mudança das regras orçamentais, nomeadamente da meta do défice de 3%, agora suspensas por causa da crise covid. Não está sozinho – mas também não está muito acompanhado.