observador.ptObservador - 23 jul 00:06

Na Lisboa recreativa de Medina somos todos uns empatas

Na Lisboa recreativa de Medina somos todos uns empatas

Se falar, talvez até protestar, o residente é atirado para os anais da história como uma verdadeira força de bloqueio ao progresso e a esse desígnio nacional que é o turista.

Fernando Medina, político de carreira desde os tempos da academia, tão conhecedor do mundo real como o antropólogo dos marcianos, não gosta dos residentes de Lisboa.

Não o afirmo devido aos casos de corrupção, de negligência, à elevada carga fiscal imposta pelos muitos anos de gestão socialista para suportar o “monstro” (como uma TV recentemente apelidou o “sistema” da CM de Lisboa) em que se transformou a CM de Lisboa. Nem sequer devido à inoperância geral da câmara de Lisboa, incapaz de despachar um processo a horas ao ponto de muitos suspeitarem que se trata de um tacticismo do “monstro” para a mobilização de “recursos” alternativos. Afirmo-o porque o residente é um “empata” na gestão de Fernando Medina.

O residente que precisa de conduzir por razões que só a ele dizem respeito, que precisa de estacionar, de circular, de andar em transportes públicos, de uma consulta num centro de saúde, de viver no direito ao descanso sem o inferno das obras públicas que abrem e fecham vezes sem fim, exactamente no mesmo local, é o inimigo da gestão de Medina. O munícipe que pretende ver polícia de ronda e policiamento de proximidade, que julga ter direito à segurança, é um personagem exigente e incómodo, quem sabe se fascista. Afinal, o residente de Lisboa deverá sim render-se às operações de caça à multa que proliferam em concorrência desenfreada entre a Polícia Municipal e a Polícia de Segurança Pública, para desgosto da Guarda Nacional Republicana que não encontrou ainda “legitimidade” para montar os seus radares nas artérias lisboetas. O munícipe que se apressa a cumprir o imbróglio burocrático montado pela CM de Lisboa e que, audaz, aguarda pelo menos pelo cumprimento dos prazos e alguma eficiência do “monstro”, é simplesmente ignorado. São 17 mil funcionários diligentes e amigos, a caminho dos 19 mil, incluindo as empresas municipais, segundo dados tornados públicos e não desmentidos.

A Lisboa de Fernando Medina é um parque recreativo de bicicletas e trotinetas, de todo o tipo de vias menos aquelas que permitem os residentes de chegar a casa. O universo de novos espaços e infraestruturas traduz este “conceito” de uma cidade para turistas, onde o residente vive diariamente o inferno do estacionamento, guardado por um dos filhos do “monstro”, a EMEL. Pobre do infeliz que se atrasa 10 minutos a regressar à viatura porque o espera uma multa de 10 euros por não ter pago, devido a algum contratempo, mais 10 cêntimos. Com sorte, poderá mesmo ser bafejado com o bloqueio da viatura.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A Lisboa recreativa de Medina serve para turista ver e usar, mas para o residente calar. Proliferam os hotéis, projectos aprovados em velocidade relâmpago, claro, mas faltam infraestruturas de saúde e educação, faltam silos para estacionamento, faltam serviços de transporte de qualidade, falta limpeza nos bairros dos residentes (mas não dos turistas). E se falar, talvez até protestar, o residente é atirado para os anais da história como uma verdadeira força de bloqueio ao progresso e a esse desígnio nacional que é o turista.

Enquanto entretém jornalistas e clientelas, o “monstro” cresce ao ponto de se alimentar de si próprio em negócios e “exceções” onde o critério é o amiguismo e, muitas vezes, o partido. Não faltam exemplos por esta Lisboa fora.

Para pôr o residente na ordem, Fernando Medina herdou e reforçou sobremaneira as duas “armas” do sistema: a Polícia Municipal (que tal como o Porto é composta por agentes da PSP destacados) e a famigerada EMEL. Implacáveis na caça à multa, avançam, agora de viaturas novas e brilhantes, sobre o “infrator”, encontrando as manigâncias mais imaginativas para engrossar as receitas não fiscais do “monstro” de Fernando Medina. Virá o dia em que a EMEL terá o direito à arma e uma unidade especial para os casos de reboques mais críticos.

Se a cidade de Medina é a cidade do futuro, regresso amanhã à aldeia dos meus avós. E se muitos fizerem o mesmo, talvez os Fernandos Medinas da nossa praça fiquem mesmo sem contribuintes municipais ou viaturas para multar, vivendo das gorjetas aqui deixadas pelo turista ocasional.

Receba um alerta sempre que Pedro A. R. Esteves publique um novo artigo.

Seguir
NewsItem [
pubDate=2021-07-22 23:06:48.0
, url=https://observador.pt/opiniao/na-lisboa-recreativa-de-medina-somos-todos-uns-empatas/
, host=observador.pt
, wordCount=686
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2021_07_22_385928193_na-lisboa-recreativa-de-medina-somos-todos-uns-empatas
, topics=[mobilidade urbana, autárquicas 2021, habitação e urbanismo, opinião, lisboa, fernando medina]
, sections=[opiniao, sociedade]
, score=0.000000]