www.jn.ptjn.pt - 12 jun 01:51

#oEstadonãoéBond

#oEstadonãoéBond

Se o nosso país era antes irrelevante para a geoestratégia internacional, descobrimos agora que afinal pode ter um papel fundamental numa possível revolução no "tradecraft". Inventámos a espionagem invertida.

Saibam as grande potências: não �� preciso vir cá espiar, não se preocupem em aprender a língua, com desenvolvimento de fontes, disfarces, encontros secretos, mensagens cifradas ou microfones escondidos em canetas. Digam-nos o que precisam, nós mandamos tudo por mail. O Estado português é o espião que veio do clima ameno e moderado.

É um embaraço incompreensível, mas não surpreendente: o Estado não respeita o cidadão. Em Portugal, há empresas asfixiadas porque o Fisco cobra logo o IVA por faturas que o Estado demora muitos meses a pagar; em Portugal, o cidadão paga multas exorbitantes por não comunicar uma pintura dentro de casa, mas há hotéis e bares construídos em cima do mar, sem que ninguém assuma responsabilidades; em Portugal, o cidadão assiste, incrédulo, aos abusos, falhanços, negligências e arbitrariedades e o Estado responde com um encolher de ombros, indiferente e absoluto: "O Estado sou eu".

*Jornalista

NewsItem [
pubDate=2021-06-12 00:51:00.0
, url=https://www.jn.pt/opiniao/miguel-conde-coutinho/oestadonaoebond-13828612.html
, host=www.jn.pt
, wordCount=145
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2021_06_12_544654331_-oestadonaoebond
, topics=[opinião, miguel conde coutinho, opiniao]
, sections=[opiniao]
, score=0.000000]