www.publico.ptpublico@publico.pt - 10 jun 00:20

Menos banco, mais fomento

Menos banco, mais fomento

Não podemos ter um banco de fomento travestido de banco de investimento puro e duro, em que a prossecução das políticas públicas se torna escrava da matriz de risco convencional da banca.

Em 2016, o então governo herdou o embrião do Banco Português de Fomento (BPF), o denominado IFD, que não passava de um grossista financeiro, não tendo autorização para (quase) nada. Cedo foi perceptível que a banca comercial encarou essa entidade como ameaça e mexeu os cordelinhos, reduzindo até onde era possível as ambições de Pires de Lima, que, afinal, não passaram de proclamações. O que foi apresentado como um banco de fomento acabou por se transformar numa pálida ideia do que devia ser uma entidade com competências para prosseguir políticas públicas para o desenvolvimento e a coesão do país com 100 milhões de euros parqueados sem grande utilidade.

NewsItem [
pubDate=2021-06-09 23:20:00.0
, url=https://www.publico.pt/2021/06/10/opiniao/opiniao/menos-banco-fomento-1965887
, host=www.publico.pt
, wordCount=108
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2021_06_09_197476050_menos-banco-mais-fomento
, topics=[opinião]
, sections=[opiniao]
, score=0.000000]