www.jornaldenegocios.ptjornaldenegocios.pt - 5 mai 11:53

Moody’s antecipa forte crescimento de Portugal a partir de 2022 com ajuda do PRR

Moody’s antecipa forte crescimento de Portugal a partir de 2022 com ajuda do PRR

A agência de notação financeira considera que o PRR pode acelerar o crescimento da economia portuguesa, mas os seus efeitos dependerão sempre da capacidade do governo para canalizar os fundos e cumprir a agenda de reformas.

A Moody’s antecipa uma recuperação "limitada" da economia portuguesa este ano, devido às restrições em vigor no primeiro semestre para travar a pandemia da covid-19. No entanto, o crescimento deverá acelerar "marcadamente" de 2022 em diante, com os fundos da União Europeia a impulsionarem o investimento público.

Numa nota emitida esta quarta-feira, 5 de maio, a agência de notação financeira considera que o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) apresentado por Portugal é "positivo" para o rating do país, na medida em que dará um impulso "significativo" aos baixos níveis de investimento público, ao mesmo tempo que dará resposta a alguns dos grandes desafios incluindo défices de capital humano, baixa inovação e ineficiências institucionais.

"Os fundos irão reforçar significativamente as perspetivas de crescimento de Portugal depois de o país ter registado uma forte contração do PIB de 7,6% em 2020", projeta a Moody’s.

A agência de rating sublinha que, em linha com as orientações da Comissão Europeia, o programa é acompanhado por compromissos de reforma para melhorar a eficiência da administração pública, promover o investimento em inovação e investigação e desenvolvimento (I&D), modernizar os sistemas educativos e desenvolver os mercados de capitais privados.

A Moody’s acredita que a concretização destes compromissos e, em particular, a digitalização de uma franja alargada da administração pública, irá resultar numa melhoria da sua produtividade e transparência, em especial no sistema de justiça.

"A diversificação e a especialização na produção de maior valor acrescentado ajudarão Portugal a reduzir o fosso de produtividade em relação aos seus pares europeus, desde que a escassez de competências não seja um obstáculo", acrescenta a Moody’s.

No geral, a "implementação integral do programa pode fortalecer o crescimento potencial de Portugal, o que, por sua vez, apoiaria a sua solidez orçamental a médio prazo", nota a agência, lembrando que o governo espera que os fundos melhorem o saldo primário em 0,3 pontos percentuais por ano entre 2021 e 2025.

No entanto, sublinha, os efeitos positivos no médio prazo dependerão sempre da capacidade do governo de canalizar os fundos para investimentos produtivos e levar a cabo as reformas necessárias.

"Portugal apresentava excedentes primários antes da crise e esperamos que, juntamente com uma política orçamental prudente, um crescimento mais forte possa acelerar a redução do fardo da dívida. No entanto, tal cenário dependeria da capacidade do governo de canalizar quantias muito grandes num período limitado para investimentos produtivos e, ao mesmo tempo, cumprir a sua agenda de reformas", destaca a Moody’s.

A Comissão Europeia deverá aprovar os planos de recuperação até ao final de julho e desembolsar as primeiras parcelas até setembro, pelo que a agência de rating espera uma implementação "muito gradual este ano", antes de uma aceleração em 2022 e 2023.

NewsItem [
pubDate=2021-05-05 10:53:35.0
, url=https://www.jornaldenegocios.pt/economia/detalhe/moodys-antecipa-forte-crescimento-de-portugal-a-partir-de-2022-com-ajuda-do-prr
, host=www.jornaldenegocios.pt
, wordCount=441
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2021_05_05_366719938_moody-s-antecipa-forte-crescimento-de-portugal-a-partir-de-2022-com-ajuda-do-prr
, topics=[economia]
, sections=[economia]
, score=0.000000]