visao.sapo.ptClara Cardoso - 8 abr 09:15

Visão | A tragédia dos invisíveis

Visão | A tragédia dos invisíveis

O que causa maior impressão quando se veem as imagens das populações deslocadas no Norte de Moçambique, a tentar fugir dos ataques cometidos por bandos terroristas selvagens, é o completo grau de abandono em que aquelas pessoas se encontram – longe de tudo e de todos, sem qualquer ligação com o resto do mundo, quase […]

O que causa maior impressão quando se veem as imagens das populações deslocadas no Norte de Moçambique, a tentar fugir dos ataques cometidos por bandos terroristas selvagens, é o completo grau de abandono em que aquelas pessoas se encontram – longe de tudo e de todos, sem qualquer ligação com o resto do mundo, quase como se vivessem num planeta distante ou num longínquo tempo passado.
Há pelo menos três anos que, com alguma frequência, vamos sendo sobressaltados com os ataques perpetrados contra aquelas gentes, pobres, indefesas e inocentes, cujo único crime, pelos vistos, é o de habitarem um espaço cobiçado por outros, por razões que as ultrapassam. No entanto, só prestamos atenção àquelas mulheres e crianças – e, mesmo assim, efémera – quando elas, após um ataque, são obrigadas a caminhar durante quilómetros em busca de auxílio, deixando para trás a dor dos maridos e filhos mortos, com relatos que deveriam obrigar as autoridades moçambicanas e o mundo a agir para pôr cobro a uma tragédia que parece não ter fim. Em todo o resto do tempo, quando não nos chegam notícias de massacres, aqueles moçambicanos voltam para a invisibilidade em que vivem e a que nós os devotamos.

Apesar dos relatos de coragem e abnegação que nos chegam sempre que o conflito escala, esta continua a ser uma tragédia de pessoas invisíveis, de quem apenas vemos imagens em situações aflitivas, em campos de refugiados ou no meio da dor imensa pela perda de entes próximos e queridos. São pessoas entregues à sua sorte, num território que tem tudo para ser um paraíso, mas que está cada vez mais transformado num inferno. São pessoas que, mesmo após caminharem longos quilómetros, falam um português que nos é familiar – e que, no mínimo, nos deveria fazer aumentar o nosso sentido de proximidade e de solidariedade. São pessoas que vivem com pouco ou quase nada, sem beneficiarem um cêntimo sequer dos enormes projetos de exploração de gás natural que estão a ser desenvolvidos na região. São as vítimas principais de uma guerra esquecida e também ela, quase sempre, invisível.

Grande parte do abandono a que estas populações estão votadas deve-se a algo que, no fundo, nos deveria a todos fazer pensar: elas não têm imagens para nos mostrar. Elas não têm os smartphones à mão, que permitem mostrar ao mundo a forma como vivem, como sofrem, como são atacadas. Não podem, sequer, copiar o que estão a fazer, atualmente, os manifestantes birmaneses que enfrentam as balas do exército armados com uma coragem imensa, mas também com os telemóveis que lhes permitem filmar as atrocidades e, dessa forma, denunciar ao mundo a selvajaria lunática de uma junta militar prepotente e sanguinária. Da mesma maneira, é-lhes também vedado o acesso a um grau de comoção generalizado, como o que surgiu nos EUA, após a divulgação das imagens da asfixia de George Floyd – prova irrefutável de uma violência policial que, até aí, permanecia conhecida, mas também invisível.

A pobreza e as atrocidades no Norte de Moçambique não aparecem nas redes sociais. Sem imagens, a realidade de Cabo Delgado não consegue tornar-se “viral” para o resto do mundo. Exatamente como acontece, aliás, em tantas outras regiões de África, por onde avançam os grupos militares de radicais islâmicos, dizimando populações, raptando alunos nas escolas, destruindo aldeias.

Em muitos locais do planeta, atualmente, a primeira medida que regimes autoritários tomam para calar revoltas ou protestos que possam fugir do controlo é desligar a internet. Em Cabo Delgado e em grande parte de África, é a pobreza que se encarrega dessa “tarefa”, condenando milhões ao esquecimento. Mas eles não são invisíveis, nós é que insistimos em não querer vê-los.

(Editorial publicado na VISÃO 1466 de 8 de abril)

NewsItem [
pubDate=2021-04-08 08:15:23.0
, url=https://visao.sapo.pt/opiniao/editorial/2021-04-08-a-tragedia-dos-invisiveis/
, host=visao.sapo.pt
, wordCount=615
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2021_04_08_1088239094_visao-a-tragedia-dos-invisiveis
, topics=[editorial, opinião, deslocados, moçambique, cabo delgado]
, sections=[opiniao]
, score=0.000000]