jornaleconomico.sapo.ptAna Pina - 8 abr 00:08

Dez metros quadrados na vida de uma teleprofessora

Dez metros quadrados na vida de uma teleprofessora

Este é só um dia de uma mulher comum, que tem como atividade profissional a docência, e que viu o último ano da sua vida através de dois ecrãs de computador.

Não. Não vou escrever sobre a espécie de alívio que este início de abril nos pode estar a trazer: as esplanadas com pessoas, as pessoas na rua, a rua frequentada, a frequência das aulas. Mesmo que o tenha feito com a maior dedicação que esta profissão exige, a carga tem sido digital e extraordinariamente árdua, tanto física quanto mentalmente.

Tudo num espaço de 10 metros quadrados, com vista para uma espécie de mundo que chega através de dois ecrãs, assentes numa secretária branca, de frente para uma cadeira preta. Um lugar, contudo, onde me encontro regular e virtualmente com dezenas de pessoas reais – especialmente, estudantes – que, ainda que fechadas, estão, tanto quanto eu, em negociação com a humanidade, com a novilíngua, com a distância próxima, com o isolamento intrusivo e com a vida em 10 metros quadrados.

NewsItem [
pubDate=2021-04-07 23:08:57.0
, url=https://jornaleconomico.sapo.pt/noticias/dez-metros-quadrados-na-vida-de-uma-teleprofessora-723407
, host=jornaleconomico.sapo.pt
, wordCount=138
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2021_04_07_814748103_dez-metros-quadrados-na-vida-de-uma-teleprofessora
, topics=[opinião, confinamento, sobrecarga, economia, sociedade aberta, ecrãs, zoom, docência+, ensino à distância]
, sections=[opiniao, economia]
, score=0.000000]