observador.ptobservador.pt - 24 fev 00:58

Covid-19. Uma das primeiras vacinadas no Brasil infetada a três dias da nova dose

Covid-19. Uma das primeiras vacinadas no Brasil infetada a três dias da nova dose

María Angélica de Carvalho Sobrinho, de 53 anos, foi a primeira pessoa a ser vacinada na Bahia. Contraiu a doença três dias antes da segunda aplicação...

Uma enfermeira brasileira, das primeiras pessoas vacinadas no país, foi internada num hospital por complicações devido à Covid-19, após contrair a doença poucos dias antes de receber a segunda dose da vacina, informaram esta terça-feira fontes oficiais.

María Angélica de Carvalho Sobrinho, de 53 anos, foi a primeira pessoa a ser vacinada na Bahia, no nordeste brasileiro, e recebeu a dose inicial do imunizante chinês Coronavac em 19 de janeiro, mas contraiu a doença três dias antes da segunda aplicação, marcada para 16 de fevereiro.

Segundo explicou a infeciologista Ceuci Nunes, diretora do hospital Couto Maia, onde a enfermeira está internada, o caso não é “algo excecional”, já que as vacinas geralmente oferecem “maior proteção cerca de 20 dias após a segunda dose”.

Três dias antes da segunda dose, ela estava com mal-estar e febre e resolvemos interná-la para observá-la mais de perto, porque precisava de oxigénio”, disse a especialista numa mensagem de áudio divulgada pelo governo da Bahia.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ceuci Nunes afirmou que o quadro de saúde da profissional é estável e que a manifestação da doença também não é um efeito adverso do imunizante.

Não tem nada a ver com uma reação adversa da vacina. Ela ainda não estava protegida porque só a primeira dose não protege. Acabou por contrair o vírus e desenvolver a doença”, explicou.

A especialista acrescentou que a eficácia dos antídotos é “cientificamente comprovada” na prevenção de casos graves de Covid-19, mas a comunidade médica ainda não sabe se são capazes de prevenir as manifestações mais leves.

As vacinas protegem muito bem contra os casos graves e reduzem as hospitalizações, mas ainda não sabemos se são capazes de reduzir as infeções. Ou seja, posso ser vacinado, infetar-me, não adoecer e ainda transmitir o vírus”, frisou Ceuci Nunes.

Com cerca de 212 milhões de habitantes, o Brasil é um dos países mais afetados pela pandemia do novo coronavírus e já acumula mais de 247 mil mortes e quase 10,2 milhões de infetados.

O país iniciou a sua campanha nacional de vacinação em 17 de janeiro, com cerca de 12 milhões de doses, mas teve que interromper a imunização em algumas cidades devido à falta de novos antídotos.

O Ministério da Saúde receberá esta terça-feira 1,2 milhões de novas doses da vacina chinesa Coronavac, produzida no Brasil pelo Instituto Butantan, e outros 2 milhões da fórmula da farmacêutica AstraZeneca, provenientes do Instituto de Serum da Índia.

NewsItem [
pubDate=2021-02-24 00:58:23.0
, url=https://observador.pt/2021/02/24/covid-19-uma-das-primeiras-vacinadas-no-brasil-infetada-a-tres-dias-da-nova-dose/
, host=observador.pt
, wordCount=396
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2021_02_24_1671155756_covid-19-uma-das-primeiras-vacinadas-no-brasil-infetada-a-tres-dias-da-nova-dose
, topics=[pandemia, vacinas, coronavírus, brasil]
, sections=[]
, score=0.000000]