rr.sapo.ptrr.sapo.pt - 23 fev 21:35

Serviços de inteligência desvalorizaram ameaça de invasão ao Capitólio

Serviços de inteligência desvalorizaram ameaça de invasão ao Capitólio

Responsáveis pelos serviços de inteligência foram ouvidos no Senado, esta terça-feira.

Os serviços de inteligência dos Estados Unidos subestimaram o perigo de invasão ao Capitólio, que acabou por acontecer em 6 de janeiro, e rejeitaram o reforço do dispositivo de segurança para conter “criminosos prontos para a guerra”.

A revelação foi feita por vários responsáveis dos serviços de inteligência, durante uma audiência que decorreu esta terça-feira no Senado norte-americano.

Depois da absolvição do antigo Presidente dos Estados Unidos da América (EUA), o republicano Donald Trump, que estava acusado de incitar a tentativa de insurreição no início do ano, o Congresso começou agora uma investigação para perceber como algo considerado impensável acabou por acontecer, de modo a evitar mais um “dia negro”.

Vários responsáveis destas agências de inteligência acabaram por cessar funções na sequência da invasão ao Capitólio e apenas esta terça-feira falaram sobre o assunto, perante os congressistas, durante uma audiência em que os invasores ao Capitólio foram descritos como “criminosos prontos para a guerra”, de acordo com a France-Presse (AFP).

Apesar de declarações dissonantes, quase todos concordaram na lentidão do Pentágono a enviar reforços e da falta de seriedade dos serviços de inteligência em relação a esta ameaça.

“Sem as informações para que se possa preparar adequadamente, a polícia do Capitólio não tinha pessoal suficiente para lidar com uma multidão extremamente violenta”, disse o antigo dirigente desta força de segurança, Steven Sund.

Já o antigo sargento de armas Paul Irving considerou, com “base nas informações” de que dispunha, que a polícia estava “erroneamente” preparada.

“Agora sabemos que o plano era fraco”, prosseguiu, completando que ficou “profundamente abalado” com a invasão.

Em 6 de janeiro, dia em que o Congresso confirmava a vitória do democrata Joe Biden nas presidenciais de 3 de novembro de 2020, uma multidão, maioritariamente constituída por apoiantes de Trump, invasão o Capitólio, na tentativa de impedir a validação do resultado das eleições.

Caos, violência e mortes. A invasão ao Capitólio em cinco minutos

A sessão foi interrompida e os congressistas abandonaram o edifício, enquanto a multidão invadiu o Capitólio, confrontou a polícia, vandalizou gabinetes, o plenário, e roubou documentos e outros objetos.

Donald Trump, que discursou momentos antes da invasão perante os apoiantes que rumaram ao Capitólio, foi acusado de ser o autor moral da tentativa de insurreição, por ter apelado à multidão para que continuasse a “lutar”.

O discurso que proferiu, assim como a tentativa descredibilização das eleições e as acusações infundadas de fraude eleitoral perpetrada pelos democratas, estiveram na base para o segundo processo de destituição de Trump, que acabou, tal como o primeiro, com absolvição do antigo chefe de Estado norte-americano.

Pelo menos cinco pessoas morreram durante a invasão ao Capitólio. As autoridades detiveram, entretanto, várias pessoas acusadas de participar neste ataque, algumas das quais tinham publicado nas redes sociais vídeos e fotografias enquanto a invasão decorria.

NewsItem [
pubDate=2021-02-23 21:35:09.0
, url=https://rr.sapo.pt/2021/02/23/mundo/servicos-de-inteligencia-desvalorizaram-ameaca-de-invasao-ao-capitolio/noticia/227928/
, host=rr.sapo.pt
, wordCount=451
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2021_02_23_450860791_servicos-de-inteligencia-desvalorizaram-ameaca-de-invasao-ao-capitolio
, topics=[informação, mundo]
, sections=[actualidade]
, score=0.000000]