jornaleconomico.sapo.ptAna Pina - 14 jan 14:05

2020, o ano nos mercados financeiros

2020, o ano nos mercados financeiros

Apesar da maior crise económica e de saúde na Europa desde o final da Segunda Guerra Mundial, o euro ganhou quase 10% ao dólar, beneficiando do aumento geral do apetite pelo risco e da perceção de maior coesão entre o centro e a periferia da zona euro.

2020 foi um ano marcado pela pandemia do coronavírus e pelo seu impacto sanitário e económico, que forçou governos e autoridades financeiras de todo o mundo a intervir numa escala sem precedentes.

Após o pânico inicial, que desencadeou uma grande liquidação em março, os ativos relacionados com o risco, como as ações, beneficiaram da determinação dos governos que lançaram programas de estímulo económico e proteção social e longo alcance, destinados a mitigar o impacto da contração económica.

Os bancos centrais também tiveram um papel crucial, ao implementarem políticas monetárias que garantiram a liquidez e reduziram o risco da dívida soberana e corporativa, sustentando a confiança dos investidores. Outro vetor que suporta o apetite pelo risco advém das taxas de juro muito baixas e dos retornos decrescentes dos investimentos tradicionalmente considerados seguros. Rendimentos reais negativos empurraram investidores ávidos por retorno para ativos de maior risco, como ações e dívida de rating mais baixo.

A eleição presidencial dos EUA, que muitos consideraram perigosa pela possibilidade de uma vitória tangencial e pela incerteza que tal cenário poderia desencadear, acabou por abrir caminho para a intensificação do otimismo. Apesar das alegações insistentes de fraude por parte de Donald Trump, e de um comportamento pouco habitual para um presidente em fim de mandato, os mercados permaneceram calmos, operando sob a suposição de que Joe Biden, uma vez empossado, lançará um vasto programa de estímulo económico e terá uma postura menos beligerante em relação aos tradicionais aliados americanos.

A promessa de menos protecionismo em Washington, em conjunto com as esperanças geradas pelos sucessos das vacinas Covid, que antecipam uma recuperação económica massiva em 2021, continuou a sustentar o otimismo dos investidores.

No velho continente, a União Europeia teve o que alguns chamaram de momento ‘hamiltoniano’ em julho, quando os 27 estados membros chegaram a um acordo para o maior orçamento de sempre, que inclui um fundo de recuperação que será garantido conjuntamente pelos 27 estados membros e que é o primeiro passo na mutualização da dívida do bloco.

O euro beneficiou muito do aumento geral do apetite pelo risco e da perceção de maior coesão entre o centro e a periferia da zona euro e, apesar da maior crise económica e de saúde no continente desde o final da Segunda Guerra Mundial, a moeda única ganhou quase 10% ao dólar em 2020.

Outro momento marcante de 2020 chegou na véspera de Natal, com o pacto entre a UE e o Reino Unido para um acordo comercial pós-Brexit. Depois de quatro anos e meio de negociações difíceis, ambas as partes chegaram, finalmente, a um acordo básico que, no entanto, ficará aquém do que o relacionamento pré-Brexit trazia para ambos os lados.

Ainda assim, a conclusão do processo traz consigo o fim da incerteza política, o que sempre sustentaria os ativos do Reino Unido, pelo menos no curto prazo. A libra obteve ganhos após o anúncio, que foram, no entanto, modestos devido ao âmbito limitado do acordo.

NewsItem [
pubDate=2021-01-14 14:05:39.0
, url=https://jornaleconomico.sapo.pt/noticias/2020-o-ano-nos-mercados-financeiros-687462
, host=jornaleconomico.sapo.pt
, wordCount=481
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2021_01_14_1525659343_2020-o-ano-nos-mercados-financeiros
, topics=[eua, zona euro, opinião, protecionismo, apetite por risco, economia, centro e periferia, coesão, mercados, secção, brexit, crise económica e de saúde]
, sections=[opiniao, economia]
, score=0.000000]