www.jornaldenegocios.ptjng@negocios.pt (Jornal de Negócios) - 14 jan 09:40

A democracia que dá jeito

A democracia que dá jeito

Este modelo estatal, de sociedade e de governo, infiltrado por trotskistas, apoiado por comunistas saudosistas da Cortina de Ferro e socialistas que apenas pensam em poder, é insano e está esgotado para enfrentar o futuro e a dívida.

A FRASE...

"Uma democracia mais perfeita seria com uma votação como a da Eurovisão..."

Henrique Monteiro, Expresso, 13 de Janeiro de 2021

A ANÁLISE...

Para uma boa tese programática, devia haver boas teses interpretativas e interrogativas. Aqui vão algumas. Por que razão os interesses públicos estão sempre defendidos tão simplesmente porque as medidas são anunciadas pelo Partido Socialista, o BE e o PCP, e os defendidos pelo espaço não socialista como uma entrega de lucros aos privados, uma subserviência à Europa e credores e um ataque aos direitos sociais e ao Estado social? Por que razão Passos Coelho foi invetivado a sair à rua para enfrentar o povo por cumprir um acordo que o PS tinha feito com a troika, e a rua não sai à procura daqueles que estão a empobrecer e endividaram o país e a reduzir a confiança nas instituições de democracia? Por que razão o SNS se enfraquece, quando é gerido por governos do espaço não socialista, e quando é gerido pelas forças de esquerda, ainda que mal, nos seja vendido como a realização do espírito de Abril? Por que razão, todos os líderes do PSD, sem exceção, nunca tiveram o apoio da opinião pública, segundo os media, mesmo ganhando eleições? Por que razão a geringonça não precisa de uma ideia programática comum ou de um acordo escrito inviolável para governar e o acordo do ciclone dos Açores é entendido como uma violação das linhas vermelhas da democracia à direita, e o acordo subliminar da gerigonça com partidos extremistas como os protetores da Constituição de Abril? Por que razão as duas candidatas de esquerda às presidenciais não são classificadas de intolerantes e antidemocratas, e o seu adversário da extrema-direita é brindado com todos os adjetivos que o associam a um potencial pequeno ditador de um deputado que vai ameaçar o regime democrático? Por que razão o cumprimento da Constituição não produz melhor democracia, melhores instituições e mais crescimento económico e permanece, ainda assim, como uma escritura sagrada e religiosa?

Deve haver inúmeras razões para esta essência de democracia de Abril. É de lamentar que o atual PR não possa contar com alternativas, quando ele, e todos sabemos, incluindo as pessoas de esquerda moderada do regime, que este modelo estatal, de sociedade e de governo, infiltrado por trotskistas, apoiado por comunistas saudosistas da Cortina de Ferro e socialistas que apenas pensam em poder, é insano e está esgotado para enfrentar o futuro e a dívida.

Este artigo de opinião integra A Mão Visível - Observações sobre as consequências diretas e indiretas das políticas para todos os setores da sociedade e dos efeitos a médio e longo prazo por oposição às realizadas sobre os efeitos imediatos e dirigidas apenas para certos grupos da sociedade.

maovisivel@gmail.com

NewsItem [
pubDate=2021-01-14 09:40:00.0
, url=https://www.jornaldenegocios.pt/opiniao/colunistas/jorge-marrao/detalhe/a-democracia-que-da-jeito
, host=www.jornaldenegocios.pt
, wordCount=450
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2021_01_14_1498545328_a-democracia-que-da-jeito
, topics=[jorge marrão, opiniao]
, sections=[opiniao]
, score=0.000000]