observador.ptobservador.pt - 22 nov 17:57

Lewis Hamilton processa… Hamilton (e perde)

Lewis Hamilton processa… Hamilton (e perde)

Lewis Hamilton é o melhor piloto de F1, conhecido também por conviver com as socialites de Hollywood e hoje defender o black lives matter. Mas nem sem...

Ainda com três corridas para disputar do campeonato de 2020, Lewis Hamilton já conquistou virtualmente o seu 7º título de campeão do mundo de Fórmula 1 (F1). Ainda assim, nem tudo são rosas para o campeão, uma vez que Hamilton decidiu adicionar mais uma “prova” na época de 2020, não numa pista de F1, mas sim no tribunal e contra… a Hamilton.

Enquanto celebrava o sétimo título de F1 (e usufruía de um salário que se estima ser superior a 44,8 milhões de euros), Hamilton resolveu solicitar à direcção da propriedade intelectual da União Europeia uma protecção contra a utilização do seu nome de família pelo fabricante de relógios suíço Hamilton.

Sucede que, se Lewis Hamilton nasceu em 1985 e conquistou o seu primeiro título em 2008, para repetir a dose apenas em 2014, a Hamilton Watch Company foi fundada na Pensilvânia (EUA) em 1892, “só” 116 anos antes de Hamilton alcançar o seu primeiro título de F1. Aparentemente, nada disto impediu o piloto de pensar que teria direito ao nome de uma empresa que nasceu quase um século antes dele. Hoje, a Hamilton tem sede na Suíça e faz parte do Swatch Group, o maior da indústria relojoeira mundial.

Paris Hilton e Lewis Hamilton 4 fotos

A União Europeia decidiu a favor da Hamilton “relógios” e contra o Hamilton “piloto”, explicando o óbvio: “não há um direito natural para qualquer pessoa sobre o seu nome, se este for registado anteriormente por uma terceira parte”. Para mais, Hamilton é um nome muito comum em países de língua inglesa, o que coloca o Hamilton “piloto” numa situação de clara desvantagem – exactamente aquela em que se meteu, ao instaurar o processo.

De recordar que o piloto número um da Mercedes na F1 conquistou este ano o sétimo título de campeão do mundo, igualando assim o recorde de Michael Schumacher, mas sem nunca ser castigado pela FIA por conduta imprópria ou comportamento antidesportivo, ao contrário do alemão.
Lewis Carl Davidson Hamilton tem tudo para passar à história como o piloto com o maior número de sucessos na disciplina máxima do desporto automóvel.

A Hamilton Watch Company foi fundada em 1892 8 fotos

De origens humildes, deve a sua carreira inicialmente (com 8 anos) aos sacrifícios da família, mas rapidamente se tornou em alguém no mundo dos karts, a partir dos 13 anos, graças ao apoio da McLaren e da Mercedes, construtor que à época fornecia motores à equipa britânica. Isto colocou-o numa situação privilegiada, sendo uma prova viva de que a cor negra da sua pele nunca o prejudicou, antes pelo contrário. O piloto britânico bateu-se em 2020 pelo movimento “black lives matter”, que curiosamente surgiu em 2013, numa incursão pela política que a FIA sempre condenou na F1. Mas que, desta vez, resolveu fazer vista grossa, colocando mais uma vez Lewis numa posição de privilegiado, que há muito possui.

NewsItem [
pubDate=2020-11-22 17:57:51.0
, url=https://observador.pt/2020/11/22/lewis-hamilton-processa-hamilton-e-perde/
, host=observador.pt
, wordCount=470
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2020_11_22_90575421_lewis-hamilton-processa-hamilton-e-perde
, topics=[atualidade, fórmula 1, curiosidades auto]
, sections=[actualidade]
, score=0.000000]