www.dn.ptdn.pt - 22 nov 12:25

Libertação, xamanismo e danças de contacto num festival para 30 pessoas

Libertação, xamanismo e danças de contacto num festival para 30 pessoas

Uma bolha à pandemia num castelo em pleno campo da Normandia. Três semanas entre teletrabalho de dia e um ambiente surreal e "libertador" à noite.

De frente para as velhas pedras de uma casa senhorial normanda, emerge do fosso uma silhueta nua. "Bem-vindo ao Hâvre de Perché", diz "Ziggy Lou", a "bruxa". Aqui, máscaras e distanciamento físico desapareceram: a covid-19 deu lugar à "arte, poesia e amor".

Como esta cartomante, cerca de 30 pessoas foram confinadas durante as últimas três semanas no Hâvre de Perché, um edifício fortificado do século XVI, perdido no meio do campo e rodeado de tendas.

Neste refúgio longe da pandemia, os dias são passados em música, ao ritmo da dança, do xamanismo ou de oficinas de desenho. Com três palavras-chave: "libertação", "transcendência" e "êxtase".

"Queríamos de facto criar uma espécie de bolha, onde se pode esquecer a merda lá fora", diz Louise Vallex, também conhecida como "Ziggy Lou", 30 anos, com uma coroa de flores na cabeça.

A fim de penetrar neste universo paralelo e neste lugar secreto, todos os participantes submeteram um teste PCR negativo, a pedido da associação Perchépolis, que supervisiona este micro evento devido ao facto de não ser possível organizar o seu festival electro anual. O teste é uma condição obrigatória para relegar o "distanciamento social" ao esquecimento.

"A nossa aposta é dizer que podemos divertir-nos como crianças sendo responsáveis como adultos", explica o seu diretor artístico, Samy El Moudni, de vestido carmim e brincos de cogumelos. O contacto com o mundo exterior nesta atípica "colónia de férias" está limitado à comida.

"Sem julgamento", todos são aqui encorajados a "serem os seus melhores seres humanos", com a ajuda de fatos e lantejoulas biodegradáveis. Isto cria uma atmosfera que é metade Rocky Horror Picture Show metade Princesa com Pele de Burro: entre as grossas paredes da mansão, um jovem nu serve de modelo para 'princesas' com vestidos coloridos.

"É um confinamento completamente improvável", diz Thomas Lasserre. O jovem basco "toma banho de felicidade", imerso num jacuzzi onde os seus alegres convivas se deliciam após uma oficina de "dança de contacto", onde todos aprenderam a ondular em duo, apoiando-se constantemente no corpo do seu parceiro.

Tempo recuperado

"O contacto carnal ainda é melhor do que estar em frente do ecrã", diz Lasserre, para quem a pandemia, com a sua procissão de confinamentos e recolher obrigatório, "elevou o abraço ao nível das necessidades essenciais".

O estudante de 20 anos de idade admite prontamente "estar perdido" perante "um mundo em convulsão". "Imergir-me num mundo onde a experimentação é permitida pareceu-me ideal para me conhecer melhor e encontrar o meu caminho no meio deste caos."

"Pode ser um sonho, mas eu não quero viver num clima de ansiedade", considera "Maya", no seu roupão de banho rosa bordado com um dragão. Enquanto o governo francês se mostra preocupado com os riscos de saúde mental do segundo confinamento, a mulher de 27 anos - que deseja permanecer anónima, tal como outros participantes entrevistados pela AFP - "vê cada vez menos notícias".

No entanto, o castelo está longe de estar desligado do mundo. Sob o dossel da sala de coworking, instalado no topo de uma torre, os residentes passam metade dos seus dias a desenvolver sites e projetos imobiliários, ou a prestar aconselhamento jurídico.

Trabalho, criatividade: o equilíbrio parece parar a perda de tempo causada pela pandemia. Para Maxime, os dias do primeiro confinamento, que eram todos semelhantes, acabaram: o programador informático "diferencia os dias" graças às oficinas artísticas que marcam as suas noites.

A artista de tatuagens Rose Bûcher aproveita a energia dos teletrabalhadores para desenhar. " Incita-me a fazer coisas, em vez de passar os meus dias sozinha a dormir", diz a mulher de 29 anos de Estrasburgo.

Os participantes até vislumbram na sua "pequena utopia" inspirações para "o próximo mundo". Chloé, 26 anos, já sonha em "deslocalizar" o seu trabalho no setor farmacêutico para fora de Paris. "Esta experiência reforça a minha convicção de que se pode sentir menos só no campo do que numa grande cidade".

"As pessoas ainda pensam que viver no campo é aborrecido", sorri Ziggy Lou. "Mas é possível criar cultura por si próprio, saindo do caminho".

NewsItem [
pubDate=2020-11-22 12:25:00.0
, url=https://www.dn.pt/cultura/libertacao-xamanismo-e-dancas-de-contacto-num-festival-para-30-pessoas-13062491.html
, host=www.dn.pt
, wordCount=658
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2020_11_22_434816799_libertacao-xamanismo-e-dancas-de-contacto-num-festival-para-30-pessoas
, topics=[frança, pandemia, cultura, festival, normandia]
, sections=[vida]
, score=0.000000]