expresso.ptexpresso.pt - 22 nov 13:28

Crianças desenvolveram-se mais durante a pandemia

Crianças desenvolveram-se mais durante a pandemia

Quase 40% dos pais viram nos filhos mais novos evoluções acima do ritmo normal durante o período de confinamento

“A pandemia não fez doença mental nos mais novos. Claro que houve ansiedade, mas não foi um problema significativo e as famílias perceberam que têm competências para lidar com as adversidades e que até podem sair mais fortes disso.” Esta é a forma como Pedro Caldeira, pedopsiquiatra responsável pela Unidade de Primeira Infância do Hospital de Dona Estefânia (HDE), em Lisboa, resume a reação da maior parte dos mais novos ao impacto da covid-19. Diz que até houve ganhos, como o tempo a mais que as crianças passaram com os pais no confinamento. E que as queixas só aumentaram com o regresso às aulas presenciais.

Para Teresa Goldschmidt, presidente da Associação Portuguesa de Pedopsiquiatria da Infância e da Adolescência e diretora do Serviço de Psiquiatria e Saúde Mental da Infância e Adolescência do Hospital de Santa Maria, os maiores problemas foram sentidos nas famílias que já apresentavam fragilidades, mesmo antes da pandemia. “As crianças mostraram a sua capacidade de adaptação, que depende e muito do comportamento dos adultos que cuidam delas. A maioria das famílias que não têm problemas de pobreza até estreitaram os laços afetivos, mas o risco vai-se agravar daqui para a frente com o aprofundamento da crise económica, porque as diferenças sociais aumentam muito os efeitos da pandemia.”

Este é um artigo do semanário Expresso. Clique AQUI para continuar a ler.

NewsItem [
pubDate=2020-11-22 13:28:51.0
, url=https://expresso.pt/coronavirus/2020-11-22-Criancas-desenvolveram-se-mais-durante-a-pandemia
, host=expresso.pt
, wordCount=222
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2020_11_22_203339982_criancas-desenvolveram-se-mais-durante-a-pandemia
, topics=[coronavírus]
, sections=[]
, score=0.000000]