www.jn.ptjn.pt - 21 nov 00:00

#maisRSI

#maisRSI

É uma falência moral e social ser motivo de contestação uma prestação social de solidariedade entregue a uma população extremamente desfavorecida. Usar pobreza como arma de arremesso retórico é a manifestação da miséria política, o sinal do desespero pelo poder, o símbolo de uma ganância sem escrúpulos por votos.

Sabe o leitor qual foi o valor médio mensal atribuído a um beneficiário do rendimento social de inserção em setembro? Apenas 119,02 euros. Segundo a Segurança Social, em setembro, foram 211 992 os que receberam este apoio paupérrimo. Isto é: 2% da população portuguesa. É inconcebível que um partido sério como o PSD ande preocupado com uma ajuda que vale 0,14% do PIB nacional de 2019. Em Portugal, 20% da população está abaixo do limiar da pobreza e somos um dos países mais desiguais da União Europeia. Portanto, na verdade o que é preciso é aumentar, alargar e melhorar o RSI para impedir abusos e ajudar quem realmente precisa. E ter menos complacência com outros gastos bem mais chocantes, como os negócios ruinosos que a elite financeira nos deixou para pagar. Disto, nem Rio nem Ventura falam. Porque é mais fácil bater nos pobres e dar a mão aos ricos.

*Jornalista

NewsItem [
pubDate=2020-11-21 00:00:00.0
, url=https://www.jn.pt/opiniao/miguel-conde-coutinho/maisrsi-13059403.html
, host=www.jn.pt
, wordCount=150
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2020_11_21_818706010_-maisrsi
, topics=[opinião, miguel conde coutinho, opiniao]
, sections=[opiniao]
, score=0.000000]