expresso.ptexpresso.pt - 18 out 22:10

O futuro do futuro. Artérias sintéticas e eletrónicas em doentes cardíacos

O futuro do futuro. Artérias sintéticas e eletrónicas em doentes cardíacos

Laboratórios de todo o mundo trabalham já na produção de vasos sanguíneos para restaurar o funcionamento do sistema circulatório após comprometimento do tecido das artérias

Já é possível criar artérias sintéticas em laboratório, destinadas a pessoas com necessidade de substituição no quadro de doença cardiovascular. O objetivo é que vasos sanguíneos sintéticos possam vir a ser usados em pacientes após cirurgia cardíaca. As artérias obstruídas darão lugar a prostéticas, que permitirão a regeneração de um novo vaso condutor.

Nos últimos anos, engenheiros especializados na área dos materiais e tecidos têm-se dedicado a compreender como podem ajudar doentes a reparar vasos sanguíneos, pele, cartilagem, ossos, estômago, bexiga e coração através do estímulo ao crescimento de novas células dos respetivos tecidos. O processo implica selar a área corrompida com materiais artificiais e provocar o crescimento de novas células em torno da junção. Os vasos sanguíneos ocupam um lugar de destaque, dada a prevalência mundial de doenças cardíacas e a importância das doenças cardiovasculares enquanto causa de morte. Em Portugal, o enfarte do miocárdio e o acidente vascular cerebral (AVC) são duas das principais causas da mortalidade, de acordo com a Direção-Geral da Saúde.

Este é um artigo do semanário Expresso. Clique AQUI para continuar a ler.

NewsItem [
pubDate=2020-10-18 21:10:47.0
, url=https://expresso.pt/sociedade/2020-10-18-O-futuro-do-futuro.-Arterias-sinteticas-e-eletronicas-em-doentes-cardiacos
, host=expresso.pt
, wordCount=177
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2020_10_18_1727107385_o-futuro-do-futuro-arterias-sinteticas-e-eletronicas-em-doentes-cardiacos
, topics=[sociedade]
, sections=[sociedade]
, score=0.000000]