expresso.ptexpresso.pt - 17 out 20:46

As lágrimas amargas (ou não) de Kim Jong-un

As lágrimas amargas (ou não) de Kim Jong-un

No Dejà Vu desta semana, Bruno Vieira Amaral escreve sobre o pedido de desculpas de Kim Jong-un aos coreanos

Se 2020 já era candidato destacado ao ano mais estranho de sempre, as lágrimas derramadas por Kim Jong-un em público, enquanto pedia desculpas ao povo norte-coreano pelos seus fracassos na liderança do país, levantam suspeitas de que haverá qualquer coisa esquisita no ar além de um vírus zoonótico. Serão sinceras aquelas lágrimas? “Bem-aventurados os que choram, porque eles serão consolados”, disse o Filho do Homem sem distinguir o choro genuíno do fingido, o que joga a favor do ditador.

Kim Jong-un chorou: a reação inesperada do líder da Coreia do Norte Durante um discurso feito numa parada militar, o líder norte-coreano exibiu uma rara vulnerabilidade emocional ao falar das dificuldades do seu povo

Há várias hipóteses. Talvez o Líder Supremo tenha ido passar férias a um resort e tenha deixado no seu lugar um sósia sentimental. Talvez, na solidão blindada do seu palácio, passe as noites a ver filmes lacrimogéneos e a comer baldes de gelado. Talvez ainda sonhe com uma carreira em Hollywood e este discurso seja uma audição para demonstrar as suas qualidades histriónicas e convencer um produtor a contratá-lo. Ou talvez, alertado para a simbologia agressiva e fálica dos novos mísseis balísticos intercontinentais que apresentou ao mundo, tenha refletido sobre os efeitos nocivos da masculinidade tóxica e queira mostrar ao seu povo que os homens também choram noutras ocasiões que não os funerais dos seus amados líderes.

Aquando das mortes de Kim Il-sung, em 1994, e de Kim Jong-il, em 2011, respetivamente o avô e o pai do atual líder da Coreia do Norte e seus antecessores no cargo, vimos imagens impressionantes de manifestações públicas de dor do povo norte-coreano. Nas praças e nas ruas de Pyongyang, as mulheres choravam e gritavam como se tivessem perdido um familiar, e nos edifícios estatais o coro de carpideiras juntava homens e mulheres numa perfeita exibição de sofrimento sincronizado. Mesmo quando alguém se prostrava no chão em aparente desespero, o gesto tinha algo de encenação e de competição coletiva. Nos regimes totalitários que promovem o culto da personalidade do chefe e em que os cidadãos são rigorosamente controlados quer pelas forças do Estado quer pelos seus compatriotas, a morte do líder é um momento de intenso escrutínio.

NewsItem [
pubDate=2020-10-17 19:46:01.0
, url=https://expresso.pt/internacional/2020-10-17-As-lagrimas-amargas--ou-nao--de-Kim-Jong-un
, host=expresso.pt
, wordCount=364
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2020_10_17_1142859420_as-lagrimas-amargas-ou-nao-de-kim-jong-un
, topics=[internacional]
, sections=[actualidade]
, score=0.000000]