www.publico.ptpublico.pt - 17 out 18:56

“Se estes espaços fecharem também irão à vida músicos, DJs, técnicos e a própria cidade”

“Se estes espaços fecharem também irão à vida músicos, DJs, técnicos e a própria cidade”

Centenas de pessoas juntaram-se esta tarde em frente ao Lux-Frágil, em Lisboa, para apelar a que o Governo não deixe morrer os espaços de música ao vivo. A acção #AoVivoOuMorto repetiu-se no Porto, em Viseu e em Évora.

Meia hora depois do início, pelas 15h, a concentração em forma de fila marcada para o Lux-Frágil, em Lisboa, já chegava ao Terminal de Cruzeiros. Estender-se-ia, depois, até ao Campo das Cebolas. Foram muitos os que aderiram à acção #AoVivoOuMorto, manifestação solidária através da qual a associação Circuito, constituída por 27 salas de concertos do país, pretendeu alertar para a importância deste sector e dar conta das dificuldades que tem atravessado desde que o novo coronavírus colocou grande parte da música em casa, num apelo à intervenção governamental para se assegurar a sua sobrevivência.

NewsItem [
pubDate=2020-10-17 17:56:40.0
, url=https://www.publico.pt/2020/10/17/culturaipsilon/reportagem/aqui-espacos-nao-vendem-so-copos-1935675
, host=www.publico.pt
, wordCount=94
, contentCount=1
, socialActionCount=0
, slug=2020_10_17_1117788186_-estou-aqui-porque-estes-espacos-nao-vendem-so-copos
, topics=[reportagem]
, sections=[vida]
, score=0.000000]