www.dinheirovivo.ptdinheirovivo.pt - 17 set 12:33

Lisboa é agora a 75ª cidade inteligente em ranking internacional

Lisboa é agora a 75ª cidade inteligente em ranking internacional

O estudo revela que a principal preocupação dos lisboetas é o acesso a habitação a custos acessíveis.

Lisboa escalou uma posição e ocupa agora o 75.º lugar no ranking global de cidades inteligentes Smart City Index 2020 (SCI), da responsabilidade do Institute for Management Development e da Universidade de Tecnologia e Design de Singapura.

O índice, que é liderado por Singapura, seguindo-se Helsínquia e Zurique, assenta na avaliação de dados económicos e tecnológicos e nas perceções dos cidadãos sobre o alcance e impacto das políticas que visam tornar a sua cidade inteligente. Este ranking visa medir também a perceção dos cidadãos do impacto da tecnologia na sua qualidade de vida.

Em Lisboa, a principal preocupação dos habitantes é o acesso a habitação a custos acessíveis. Segundo o estudo, 77,3% dos inquiridos considera a habitação uma área de intervenção prioritária e 81,4% afirmam que é um problema encontrar casa cuja renda seja equivalente a um máximo de 30% do salário mensal.

O trânsito (apontado por 55,6% dos inquiridos), a corrupção (44,8%), os transportes públicos (41,2%), a poluição do ar (41,2%), o desemprego (40,8%) e os serviços de saúde (38,3%) são outros dos parâmetros que pesam na avaliação da cidade e que os lisboetas identificam como problemáticos e a carecer de soluções.

Como fatores positivos, os habitantes da capital destacam a oferta cultural da cidade (81%) e os espaços verdes (66,9%).

No plano tecnológico, as possibilidades de comprar bilhetes para atividades culturais online e de aceder a anúncios de trabalho pela internet são os maiores fatores de satisfação para os inquiridos, 83,7% e 77,4%, respetivamente.

A grande maioria dos participantes no inquérito (cerca de 71%) reconhece ter havido uma melhoria no tempo de processamento de documentos oficiais online e considera que a velocidade e fiabilidade da internet corresponde às suas necessidades.

O estudo conclui que 62% dos inquiridos estariam dispostos a conceder dados pessoais para melhorar os problemas de trânsito e 72,4% de acordo com a utilização de tecnologias de reconhecimento facial para baixar a criminalidade. Para 66%, a disponibilização de informação online aumentou a confiança nas autoridades.

Saliente-se que os participantes no estudo revelam que 63,9% das transações do dia-a-dia já não são feitas em dinheiro.

Tecnologia na era covid-19

O Smart City Index 2020 considera que as cidades têm abordagens muito distintas no que toca à tecnologia, com consequências na gestão local da crise provocada pela covid-19, e defende que a pandemia irá muito provavelmente ampliar as desigualdades entre quem está e quem não está conectado.

Para Heng Chee Chan, da Universidade de Tecnologia e Design de Singapura, “as cidades inteligentes no topo dos rankings parecem lidar melhor com os desafios inesperados desta pandemia devastadora”.

“As cidades com melhor tecnologia gerem melhor a pandemia”, diz também Arturo Bris, professor do Institute for Management Development, explicando que ser uma smart city pode não ser em si a solução para o problema mas que a tecnologia ajuda.

1
1