expresso.ptexpresso.pt - 23 mai 14:17

Covid-19. Banco de Portugal torna-se o maior credor do Estado

Covid-19. Banco de Portugal torna-se o maior credor do Estado

Com novo programa do BCE de combate à pandemia, a carteira de títulos de dívida pública deverá atingir €50 mil milhões este ano e ultrapassar o Mecanismo Europeu de Estabilidade

O Banco de Portugal (BdP) vai tornar-se este ano o principal credor da dívida pública portuguesa. Irá ultrapassar o Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEE), que gere os dois fundos de resgate que, juntamente com o Fundo Monetário Internacional (FMI), fizeram o resgate português em 2011. O empréstimo do FMI já foi reembolsado, mas há ainda por pagar €49,6 mil milhões dos fundos europeus. É esse patamar que o BdP vai ultrapassar este ano com a carteira de títulos de dívida pública a atingir €50 mil milhões com a ajuda do novo programa de emergência lançado pelo Banco Central Europeu (BCE) em março.

Embora os programas de compra de dívida sejam decididos ao nível do Conselho do BCE, são os bancos centrais nacionais que executam a maior parte das operações e que compram a dívida do seu país. No final do ano passado, o BdP tinha obrigações do Tesouro português no valor de €36 mil milhões e, pelas contas do Expresso, deverá acrescentar pelo menos mais €14 mil milhões ao longo deste ano (ver caixa). Um valor que resulta das compras do programa em curso desde 2015 e do PEPP, a nova ‘bazuca’ criada especialmente para combater a crise da covid-19, que juntas são mais do que suficientes para cobrir as necessidades de financiamento adicionais que o Estado deverá ter com a derrapagem no défice orçamental este ano.

Este é um artigo exclusivo. Se é assinante clique AQUI para continuar a ler. Para aceder a todos os conteúdos exclusivos do site do Expresso também pode usar o código que está na capa da revista E do Expresso.

Caso ainda não seja assinante, veja aqui as opções e os preços. Assim terá acesso a todos os nossos artigos.

1
1