www.publico.ptpublico.pt - 23 mai 21:15

Nicarágua: um regime que prefere matar a morrer

Nicarágua: um regime que prefere matar a morrer

O sandinismo, que há muito se enganou de rumo, perdeu as referências, viola os direitos humanos e parece jogar a sua sobrevivência apostando na pandemia de covid-19. A Fundação Arias fala num “genocídio induzido por uma negligência criminal”. Projec

Dionisio “Nicho” Marenco morreu na terça-feira com problemas respiratórios. Tinha 73 anos e estava afastado da política activa desde que deixou de ser presidente da câmara de Manágua em 2008. A sua morte é um exemplo de como o Governo de Daniel Ortega e Rosario Murillo se afastou tanto dos ideais sandinistas que figuras chave da história política da Nicarágua como Marenco morrem de forma mais discreta do que mereciam.

1
1