pplware.sapo.ptpplware.sapo.pt - 22 mai 18:00

Recorde: Internet a 44,2 terabits por segundo? Sim, já é possível

Recorde: Internet a 44,2 terabits por segundo? Sim, já é possível

44,2 terabits por segundo a partir de uma único chip ótico foi a velocidade alcançada por um grupo de investigadores australianos.

Acha que a sua internet é rápida? Quantos Gbps tem de download e upload? Se tiver 1 Gbps de download já tem uma “superinternet”, mas vai ficar surpreendido com o feito alcançado por uns investigadores australianos.

A partir de uma único chip ótico, os investigadores dizem conseguir suportar milhões de ligações. E a velocidade atingida?

Recorde: Internet a  Os investigadores pertencem às universidades de Monash, Swinburne e do Royal Melbourne Institute of Technology (RMIT), na Austrália. A velocidade alcançada bateu todos os recordes até agora alcançados, chegando aos 44,2 terabits por segundo.</p> 

<p>Os investigadores divulgaram que atingiram essa velocidade usando a infraestrutura de comunicações existente através de um novo dispositivo que substitui 80 lasers por um único equipamento conhecido como ‘micro-pente’, menor e mais leve do que o hardware de telecomunicações existente, refere a Lusa.</p> 

<blockquote>

 <p><span>Com a pandemia de COVID-19 estamos a ter uma amostra de como a infraestrutura da internet será daqui a dois ou três anos, devido ao número sem precedentes de pessoas que a usam para trabalho remoto, socialização e ‘streaming’ e o que estamos a ver é que precisamos de ser capazes de dimensionar a capacidade das nossas ligações.</span></p>

</blockquote> 

<p style=Bill Corcoran, coautor principal do estudo e professor de engenharia de sistemas elétricos e de computadores na Universidade Monash, em Melbourne, Austrália.

Arnan Mitchell, do RMIT, sublinha que com uma velocidade de 44,2 Tbps, é possível fazer o download de 1 000 filmes de alta definição numa fração de segundo. O investigador revela também que a ambição futura do projeto é aumentar os transmissores atuais de centenas de gigabytes por segundo para dezenas de terabytes por segundo, sem aumentar o seu tamanho, peso ou custo.

A longo prazo esperamos criar ‘chips fotónicos’ integrados que permitam que esse tipo de volume de dados seja alcançado através de ligações de fibra ótica existentes com custo mínimo.

Este tipo de tecnologia é sem dúvida uma excelente opção para comunicações entre centro de dados e não só. Os investigadores consideram que o seu potencial pode mesmo chegar ao público em geral se o seu custo for suficientemente baixo e a tecnologia for compacta para poder ser usada comercialmente.

1
1